• François

A esmola liberal

O liberalismo sempre criticou com retórica e números a demagogia populista da esmola. Tudo se resolveria com empregos, enxugamento do Estado, entrega da atividade produtiva à iniciativa privada, preços regulados pelo mercado, blá,blá,blá.

O paraíso estava à mão. Crescimento da economia, liberdade de investimentos e combate à corrupção. Tudo entregue à competência privada.

Aí veio a realidade. Primeiro, num país miserável o Estado obriga-se a estar presente. Segundo, a corrupção se deu com o Estado cooptado pela "competente" iniciativa privada. Empreiteiras e empresários comprando e vendendo "licitações", num conluio com o poder público. Não era o Estado. Eram ladrões do erário. Tornando os empresários "bem sucedidos" em milionários, à custa dos miseráveis.

Agora, o liberalismo decide por força da realidade ofertar uma prebenda. Um óbulo, uma esmola de seiscentos reais. Só que desastradamente não sabem como entregar a esmola prometida. E os esmolantes, de bacia de flandre na mão, mendigam pelas ruas da internet. "como faço pra receber"? "eu tenho direito"? "quando sai"?

Foi a esmola prometida mais demorada da história da demagogia. Os liberais não se prepararam para uma realidade simples. Eles não conhecem o Brasil. Nunca conheceram. São fantoches das próprias teorias. E os mendigos aos montes continuam sem saber onde danado estão "os seiscentos"... Seu Guedes, coitado, foi salvo pelo gongo do corona vírus.

46 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O rinoceronte acoelhou-se

Pois é. O valentão de dois dias atrás virou coelho, quando lhe apertaram os colhões. Essa tchurma não engana. Tudo valentia de ocasião, esperando que as armas ostensivas e os músculos bombados imponha

O oitão do cajá

O Cajá era um sitio minimalista, de propriedade de minha avó, onde morava seu Bendito do Cajá. Nunca soube do seu sobrenome, conhecido era ele pelo pós nome do sitio onde morava. O sítio era tão sem g

Picaretagem interrompida?

Onde e por quem demonstra a maluquice do país, do qual alguém já disse há muito tempo: "No Brasil não será surpresa se um dia a Sexta Feira da paixão cair numa Terça Feira de carnaval". A que me refir