top of page
  • Foto do escritorFrançois

A fixação do mentiroso

Vocês lembram do início da pandemia, quando o único remédio era evitar o contágio, com a dúvida pairando sobre todos, desde médicos a cientistas. Naquele momento, uma das alternativas era o isolamento. Quanto menos contato, mais prevenção ao vírus.


O que fez o energúmeno presidente? Negou a dimensão da doença. Criticou o isolamento e levantou a bandeira do trabalho e do emprego. Era a cantilena. "Importante é o emprego", dizia ele. O tempo demonstrou que era uma farsa essa preocupação.


Hoje, com o desemprego atingindo marcas assustadores, acabou o discurso do emprego. Nem toca no assunto. Acabou o isolamento e a única coisa permanente é a mentira. E só fala no que realmente lhe interessa.


E o que é que lhe interessa? Eleições. Só. É a única preocupação. Até a "generosidade" nele é mentirosa. A crítica que ele fazia ao bolsa família, a esmola petista, ele abocanhou para fazer exatamente o que criticava. Isto é, usar o auxílio como moeda eleitoral. Só pensa nisso. É voto impresso, denúncia de fraude sem ter eleição, ameaça de sustar eleição, chantagem de pressão militar.


Enquanto isso, desemprego, carestia, inflação sem controle, combustíveis a preço de ouro, bares e restaurantes vazios sem isolamento, filas em caixas de supermercados escassas, carros da classe média na garagem, taxistas e ubers selecionando corridas pra economizar combustível, inadimplência pelos ares, imóveis abandonados por inquilinos, e nenhuma conversa mais sobre emprego ou renda. Só eleição.


O energúmeno fala ao seu rebanho. Que tem ou recebe de outrem, é bom averiguar, o custeio para abastecer motos turbinadas, nesses desfiles ridículos de bombados e imbecis.


O tanque de lata não é blindado/ é tanque de água, onde bebe o seu gado./ O tanque fumaça não é nem de guerra,/ é cocho onde come aquele que berra.



61 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

Comments


bottom of page