top of page
  • Foto do escritorFrançois

A fumaça do cinismo

Que o ministraço do meio ambiente minta, proponha desrespeito à natureza e esbanje estultices, ninguém tem o direito de surpreender-se. É o canastrão da ecologia. Econastrão.


Mas o general Mourão, vice-presidente da republiqueta do bananal, deveria dar-se o respeito. O que fizeram eles dois? Divulgaram, para o exterior, um vídeo com a chamada "A Amazônia não está queimando", produzido por uma entidade produtora do agronegócio do Pará, com a imagem de uma paisagem de rios e matas, de ampla beleza verdejante.


Qual o problema? O problema é que não era a Amazônia. Nem no Pará. Sabe de onde era? Do Rio de Janeiro. Isso mesmo, mata atlântica fluminense. Como se descobriu? Com as pernas curtas da mentira e o ridículo da estupidez. Numa das cenas aparece um mico leão dourado. Bicho que não existe na Amazônia. Aí a farsa foi desmascarada. Mourão, devidamente mascarado, desconversou dizendo que "isso faz parte do negócio, pois era para divulgação lá fora".


Deve ser a mesma mata atlântica que o ministro do Baú da Felicidade viu "sobrevoando a Amazônia". Se era ele ou a própria mata que sobrevoava ninguém sabe. Eita paiseco do eco da ruma no meio da moita.

53 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

Comments


bottom of page