• François

A gravidade do segundo teste

Atualizado: 15 de Mar de 2020

Até agora, o protocolo era simples. Um teste para detectar o vírus; caso desse negativo, fazia-se um segundo para confirmar a negatividade. Caso desse positivo, uma contraprova para confirmação. Ponto. Sendo confirmada uma coisa ou outra, na repetição ou contraprova, concluía-se a informação.

No caso de Bolsonaro, o protocolo mudou. Saiu primeiro a informação de positividade, por um jornal. Ninguém desmentiu. O silêncio durou dois dias. Então foi anunciado pelo Planalto a negatividade, sem falar no primeiro teste. Ficou aquele clima de "tem peta nessa cesta". Teste feito em hospital militar, demora de anúncio, tudo muito tipicamente próprio desse governo.

Aí a confirmação da dúvida. Vão fazer novo teste. Peraí, não é confiável a fonte da primeira feitura? Caso, tomara que não, configure-se a positividade a coisa é grave. Não falo de gravidade da doença. Ela é perfeitamente tratável. Principalmente num corpo de "touro" como ele foi definido pelos médicos na época da facada. A gravidade é a manobra da (des)informação.

35 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Rifa macabra

Isso não é um governo. É uma rifa clandestina entre amigos e sicários da população, posto que dos atos e omissões o resultado foi a mais cruel mortandade populacional da história do Brasil. Amigos civ

As tripas de um país fecal

Cujo presidente dá um susto nos aliados ao ter interrompida a tripa cagaiteira. Pois pois, como diria um português de Lisboa. "Ô pá, lamento, mas se todo mundo morre um dia, como disse o próprio gajo,

Só Cagão? Não...

Azarão também. Cagou para a CPI e azarou a Seleção. Onde Bolsonaro põe a torcido o azar hospeda-se junto. Torceu pro Trump, Trump lascou-se. Torceu na eleição da Bolívia, a esquerda venceu. Torceu pel