• François

A gravidade do segundo teste

Atualizado: 15 de mar. de 2020

Até agora, o protocolo era simples. Um teste para detectar o vírus; caso desse negativo, fazia-se um segundo para confirmar a negatividade. Caso desse positivo, uma contraprova para confirmação. Ponto. Sendo confirmada uma coisa ou outra, na repetição ou contraprova, concluía-se a informação.

No caso de Bolsonaro, o protocolo mudou. Saiu primeiro a informação de positividade, por um jornal. Ninguém desmentiu. O silêncio durou dois dias. Então foi anunciado pelo Planalto a negatividade, sem falar no primeiro teste. Ficou aquele clima de "tem peta nessa cesta". Teste feito em hospital militar, demora de anúncio, tudo muito tipicamente próprio desse governo.

Aí a confirmação da dúvida. Vão fazer novo teste. Peraí, não é confiável a fonte da primeira feitura? Caso, tomara que não, configure-se a positividade a coisa é grave. Não falo de gravidade da doença. Ela é perfeitamente tratável. Principalmente num corpo de "touro" como ele foi definido pelos médicos na época da facada. A gravidade é a manobra da (des)informação.

35 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O que falta acontecer neste país brutalizado, estuprado e descido à condição de submundo do crime oficial. Crimes de Estado. Após chacina em favela do Rio, com aplausos de Bolsonaro, esse genocida cot

Qual a relação? Me veio à memória os tempos idos da Casa do Estudante. Lá cheguei vindo do Colégio Diocesano Seridoense, de Caicó. Caicó me abriu uma janela pro mundo, pelo CDS; a Casa do Estudante me

...da derrota de Bolsonaro. É Lula? Não. Lula sabe que nada está definido. Eleição e mineração só depois da apuração. Lição do velho pessedismo dos tempos saudosos do Brasil ingênuo e democrático. Inc