• François

A gravidade do segundo teste

Atualizado: Mar 15

Até agora, o protocolo era simples. Um teste para detectar o vírus; caso desse negativo, fazia-se um segundo para confirmar a negatividade. Caso desse positivo, uma contraprova para confirmação. Ponto. Sendo confirmada uma coisa ou outra, na repetição ou contraprova, concluía-se a informação.

No caso de Bolsonaro, o protocolo mudou. Saiu primeiro a informação de positividade, por um jornal. Ninguém desmentiu. O silêncio durou dois dias. Então foi anunciado pelo Planalto a negatividade, sem falar no primeiro teste. Ficou aquele clima de "tem peta nessa cesta". Teste feito em hospital militar, demora de anúncio, tudo muito tipicamente próprio desse governo.

Aí a confirmação da dúvida. Vão fazer novo teste. Peraí, não é confiável a fonte da primeira feitura? Caso, tomara que não, configure-se a positividade a coisa é grave. Não falo de gravidade da doença. Ela é perfeitamente tratável. Principalmente num corpo de "touro" como ele foi definido pelos médicos na época da facada. A gravidade é a manobra da (des)informação.

35 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

De onde é a Revista Time?

Da Rússia? Se for é uma corja antidemocrática que detesta Trump e Bolsonaro, dois ícones da democracia terraplanista, tremendamente evangélica e "puritana". Não, não é da Rússia. É da China? Se for é

Vá entender!?

Eleições para prefeito em São Paulo, capital. Muitos candidatos, de tudo que é tendência, tendenciosas ou não. A única candidatura de esquerda com alguma e real chance de vencer é a do Psol, Guilherme

O nariz de Pinóquio...

...maior do que a Amazônia. Nunca na história da ONU, setenta e cinco anos, nem quando da guerra fria, em que mentiam soviéticos e americanos, um chefe de Estado mentiu tanto em tão pouco tempo. Quinz