• François

A gravidade do segundo teste

Atualizado: 15 de Mar de 2020

Até agora, o protocolo era simples. Um teste para detectar o vírus; caso desse negativo, fazia-se um segundo para confirmar a negatividade. Caso desse positivo, uma contraprova para confirmação. Ponto. Sendo confirmada uma coisa ou outra, na repetição ou contraprova, concluía-se a informação.

No caso de Bolsonaro, o protocolo mudou. Saiu primeiro a informação de positividade, por um jornal. Ninguém desmentiu. O silêncio durou dois dias. Então foi anunciado pelo Planalto a negatividade, sem falar no primeiro teste. Ficou aquele clima de "tem peta nessa cesta". Teste feito em hospital militar, demora de anúncio, tudo muito tipicamente próprio desse governo.

Aí a confirmação da dúvida. Vão fazer novo teste. Peraí, não é confiável a fonte da primeira feitura? Caso, tomara que não, configure-se a positividade a coisa é grave. Não falo de gravidade da doença. Ela é perfeitamente tratável. Principalmente num corpo de "touro" como ele foi definido pelos médicos na época da facada. A gravidade é a manobra da (des)informação.

35 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O que eles disseram no verão passado.

Há dois ou três anos, não sei precisamente, o deputado Eduardo Bolsonaro declarou que "Quem pede ao Supremo para ficar calado numa CPI é um covarde". Na mesma época, o também deputado e depois ministr

O cagão e a China

Disse o cagão: "É uma maldade dizer que eu me referi à China, pois não citei a palavra China". O que foi que ele disse? Disse que o vírus corona pode ter sido produzido em laboratório, para ser usado