top of page
  • Foto do escritorFrançois

A ilha de Sancho Pança

Um país imbecilizado chefiado por um imbecil. Chefiado? Tanto quanto Sancho Pança chefiava a ilha que governou, na esteira da fantasia do seu chefe louco. A única e maior vítima disso tudo é a própria loucura, quando se aboleta em cabeças recheadas de merda. Diferentemente da "loucura" dos sábios, que produz arte e ciência. O Sancho de Cervantes era um bonachão benéfico e útil à arte. O bufão daqui é um inútil que nunca produziu nada, à exceção do moinho de moer esterco.

E os seus acólitos, cada vez menos numerosos, promovem a cruzada de Brancaleone, cuja vestimenta de trapos morais enfrentam os atropelos da estupidez.

60 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

1 Kommentar


Sueleide Suassuna Thin
Sueleide Suassuna Thin
07. Apr. 2020

"moinho de moer esterco".

Que verve!

Gefällt mir
bottom of page