top of page
  • Foto do escritorFrançois

A lição de Felipe Neto

A performance de Felipe Neto no The New York Times foi irretocável. O jovem reciclou-se, e o fez tempestivamente. Não esperou envelhecer para autocriticar-se. Não. Amadureceu no tempo certo e está prestando um grande serviço à Democracia.

Essa é a opinião geral dentre os combatentes do bolsonarismo? Não. Após sua apresentação, eu fiz um passeio por blogs e portais. Da esquerda e da direita. Na direita, nenhuma surpresa. Só adjetivação, desaforos e análises de beira de quintal. Tá nos conformes da sua formação.

A surpresa, se é que foi surpresa, aconteceu na esquerda. De jovens progressistas torcendo o beiço, num gestual típico do ciúme. Despeito infantil. Dos da minha geração, repetição de chavões cujas cores esmaecem sob a poeira ou no interior do mofo.

O fascismo sobrevive muito mais pela burrice dos seus combatentes do que pelo talento dos fascistas. Se é que haja talento na estupidez.

44 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

Comentários


bottom of page