• François

A máscara do Aras

Atualizado: 28 de Mai de 2020

Não é a de proteção ao corona vírus, que pouco usa. Pouco ou mal usada também pelo seu chefe.

Pois é. O procurador geral de República, senhor Augusto Aras, desmoraliza o papel republicano do Ministério Público, órgão alçado à condição de poder atípico pela Constituição Federal. E confirma que tem um chefe. Um chefe alvo de uma possível investigação aberta pelo próprio, que já prepara o procedimento de arquivamento. Demonstrando que o pedido de abertura foi um jogo de cena, para arquivá-lo na hora oportuna. Informo, por antecipação, que o inquérito em causa será arquivado. E Bolsonaro continuará rasgando a lei e a dignidade republicanas.

Agora, o senhor Aras, candidato à vaga no Supremo, pede à corte suprema que tranque o inquérito em andamento que investiga as fake news.

Por quê? Porque os maiores responsáveis por mentiras, fake news, são os aliados, cães de fila de Bolsonaro e filhos. O próprio Flavio Bolsonaro, respondendo ao governador do Rio, agora também alvo de investigação por falcatruas, disse textual e publicamente: "Fui eu que o elegi". Pois bem. Elegeu, como? Por discurso, campanha, transferência de votos? Não. Pela mídia internáutica. Via fake news. Ninguém sabia quem era Witzel. Foi fabricado por essa patifaria. A "nova política".

E o senhor Augusto Aras deixa cair a máscara. Cuja contaminação pela ausência do apetrecho não vai contrair vírus algum, mas vai jogar na lama a fama de isenção do Ministério Público. O MP tem tuas vias. Ou denuncia e empareda esse procurador geral, ou queda-se na corporação de rabo entre as pernas.

Termos conclusivos, da peça autorizadora das buscas e apreensões, pelo Ministro relator: "documentos e dados armazenados em arquivos eletrônicos apreendidos nos locais de busca, contidos em quaisquer dispositivos. Consigne-se a autorização nos mandados expedidos. Cumpra-se com estrita observância dos arts. 245 e 248 do Código de Processo Penal. As diligências deverão ser cumpridas pela equipe do Delegado Federal Igor Romário de Paula, a quem deverá ser remetido todo o material apreendido durante a operação. Determino, por fim, que os dados sigilosos recebidos sejam autuados em apartado e em segredo de justiça, dada a incidência da hipótese do art. 230-C, § 2º, do RISTF. Dê-se ciência ao Procurador-Geral da República. Brasília, 26 de maio de 2020. Ministro ALEXANDRE DE MORAES, Relator.


De Rômulo Gurgel, por e-mail:

"A Procuradoria Geral da República virou um chiqueirinho da Presidência da República. Uma coisa que deve envergonhar promotores e procuradores honestos, felizmente a maioria".

52 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O rinoceronte acoelhou-se

Pois é. O valentão de dois dias atrás virou coelho, quando lhe apertaram os colhões. Essa tchurma não engana. Tudo valentia de ocasião, esperando que as armas ostensivas e os músculos bombados imponha

O oitão do cajá

O Cajá era um sitio minimalista, de propriedade de minha avó, onde morava seu Bendito do Cajá. Nunca soube do seu sobrenome, conhecido era ele pelo pós nome do sitio onde morava. O sítio era tão sem g

Picaretagem interrompida?

Onde e por quem demonstra a maluquice do país, do qual alguém já disse há muito tempo: "No Brasil não será surpresa se um dia a Sexta Feira da paixão cair numa Terça Feira de carnaval". A que me refir