top of page
  • Foto do escritorFrançois

A resistência...

...e os quibas dos generais.


Estou indo para Martins organizar a resistência ao golpe Bozobragheleno. Faremos um desfile com as tropas do Grupo Almino Afonso e depois seguiremos para o Diadema, de onde sai o acesso para a Ladeira Treze de Maio, na direção das grotas para o Sertão.


O treinamento com armas será realizado no Sítio Pimenta, de Zé de Estêvão, de saudosa memória. São três espingardas de soca e cento e cinquenta baladeiras, com ligas de pneus de bicicleta e ganchos de pau d'arco.


Todo o treinamento será com o objetivo de esperar os golpistas Braga Neto, Ramos e Heleno, generais medalhados de gordo soldo. A turma já está bem treinada para acertar os alvos. Serão miradas as baladeiras na direção dos contracheques, que os generais escondem no fundo dos bolsos das calças, vizinhos do saco onde eles escondem os quibas. Acertou ali, morreu o golpe.

45 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

Comments


bottom of page