• François

A resistência...

...e os quibas dos generais.


Estou indo para Martins organizar a resistência ao golpe Bozobragheleno. Faremos um desfile com as tropas do Grupo Almino Afonso e depois seguiremos para o Diadema, de onde sai o acesso para a Ladeira Treze de Maio, na direção das grotas para o Sertão.


O treinamento com armas será realizado no Sítio Pimenta, de Zé de Estêvão, de saudosa memória. São três espingardas de soca e cento e cinquenta baladeiras, com ligas de pneus de bicicleta e ganchos de pau d'arco.


Todo o treinamento será com o objetivo de esperar os golpistas Braga Neto, Ramos e Heleno, generais medalhados de gordo soldo. A turma já está bem treinada para acertar os alvos. Serão miradas as baladeiras na direção dos contracheques, que os generais escondem no fundo dos bolsos das calças, vizinhos do saco onde eles escondem os quibas. Acertou ali, morreu o golpe.

42 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O que falta acontecer neste país brutalizado, estuprado e descido à condição de submundo do crime oficial. Crimes de Estado. Após chacina em favela do Rio, com aplausos de Bolsonaro, esse genocida cot

Qual a relação? Me veio à memória os tempos idos da Casa do Estudante. Lá cheguei vindo do Colégio Diocesano Seridoense, de Caicó. Caicó me abriu uma janela pro mundo, pelo CDS; a Casa do Estudante me

...da derrota de Bolsonaro. É Lula? Não. Lula sabe que nada está definido. Eleição e mineração só depois da apuração. Lição do velho pessedismo dos tempos saudosos do Brasil ingênuo e democrático. Inc