top of page
  • Foto do escritorFrançois

A solidão dos Deuses

Atualizado: 5 de jun. de 2022

Ponho todos em letra maiúscula por respeito e reverência à condição humana de ser maternidade de Deuses. O ser humano, só, ou na tribo, não se explicava nem se compreendia. Era preciso pedir ajuda à sua capacidade inventiva de justificar-se, de nascer, de pensar. E se descobrindo pequeno, indefeso, incapaz de abastecer-se de informações sobre si mesmo, pediu socorro à angústia de si próprio. Foi por aí que se assumiu criatura, na comodidade de dispensar respostas, e culpou o criador. Estava criado o responsável pela sua própria miserável dúvida.


Deuses dos sumérios, dos etruscos, dos fenícios, dos caldeus, dos gregos, dos romanos, dos hebreus, dos africanos, dos chineses, dos silvícolas. Há Deuses de todas das certezas e banhados de todas as dúvidas.


O Deus hebraico é o que pontifica, coitado, no turno da nossa cultura daqui desse Ocidente de moral decadente, de moralistas amorais. Na pesquisa de Rosenstock-Huessy, sobre a origem da linguagem, a palavra Deus, desde o sânscrito e antes do pré-semítico não significa aquele que cria, ou seja, o criador. Não. Significa aquele que fala. E se você for ao texto da Torá, nas suas duas versões, verá a confirmação dessa assertiva. O que diz lá? "No principio era o verbo e o verbo era Deus". A outra versão da Torá informa: "O princípio era o verbo e o verbo era Deus". Numa, o princípio é adjunto adverbial de tempo. Na outra, é sujeito. Em ambas, Deus não cria. Fala. Consta dos livros do Pentateuco, atribuídos a Moisés, dos quais Moisés nunca escreveu uma página. Da Torá nasceram três doutrinas filo-religiosas. O Judaísmo, professado por Jesus, o Cristianismo, criado por Constantino, e o Islamismo originado por Maomé.


Dos Deuses das mitologias destacam-se os gregos e latinos. Numa correspondência quase simétrica. Zeus, Deus maior dos gregos. Júpiter, dos latinos. Baco, da farra, vinho e arte, dos latinos. Dioniso, do vinho e arte dos gregos. Apolo, da retidão, sofria, como apolíneo, a oposição do dionisíaco.


Mas não posso deixar sem registro a mitologia caldaica; que em matéria de Deuses, pra mim é tão ou mais exuberante do que as referidas. E lembro de A'Nuhr, o Deus supremo dos céus dos caldeus, que sofria a cobrança constante da Deusa Is'tahr, senhora das paixões e fertilidade. E num desses embates, ela ameaçou: "Ou faz como peço ou cortarei por um segundo o fio do amor, quebrando a sinfonia do erotismo universal". Ponto e vírgula.






50 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

Comentários


bottom of page