• François

A vilã de lã

Atualizado: Fev 5

Deslanada, não perde o apelo. É o que é e sempre foi a Rede Globo, segunda filha do Jornal o Globo; a primogênita foi a rádio. Perdeu a boquinha da publicidade oficial, preterida pelas redes de Edir Macedo e Silvio Santos, mas continua balançando o rabo e salivando para o governo Bolsonaro. Não quer perder a concessão.

Pedro Bial, intelectual da casa, é um analfabeto erudito. Poeta de versos ocos, ensaísta de plágios, crítico bufão. É a caricatura cultural da televisão brasileira.

Até quando ri, seu riso é um esgar. Uma careta denunciante da farsa de erudição.

Quando faz a crítica deselegante à cineasta de Democracia em Vertigem, não economiza a gosma de inveja. Não analisa o filme, agride a cineasta. Quando recebe de alguém a denúncia de vinculação das milicias cariocas com a família Bolsonaro, ele sai pela tangente dizendo que "não quero personalizar nem individualizar essas relações". Enquanto o denunciante ratifica e reafirma: "É uma vinculação personalizada e familiar".

0 visualização