• François

A vilã de lã

Atualizado: 5 de fev. de 2020

Deslanada, não perde o apelo. É o que é e sempre foi a Rede Globo, segunda filha do Jornal o Globo; a primogênita foi a rádio. Perdeu a boquinha da publicidade oficial, preterida pelas redes de Edir Macedo e Silvio Santos, mas continua balançando o rabo e salivando para o governo Bolsonaro. Não quer perder a concessão.

Pedro Bial, intelectual da casa, é um analfabeto erudito. Poeta de versos ocos, ensaísta de plágios, crítico bufão. É a caricatura cultural da televisão brasileira.

Até quando ri, seu riso é um esgar. Uma careta denunciante da farsa de erudição.

Quando faz a crítica deselegante à cineasta de Democracia em Vertigem, não economiza a gosma de inveja. Não analisa o filme, agride a cineasta. Quando recebe de alguém a denúncia de vinculação das milicias cariocas com a família Bolsonaro, ele sai pela tangente dizendo que "não quero personalizar nem individualizar essas relações". Enquanto o denunciante ratifica e reafirma: "É uma vinculação personalizada e familiar".

27 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O que falta acontecer neste país brutalizado, estuprado e descido à condição de submundo do crime oficial. Crimes de Estado. Após chacina em favela do Rio, com aplausos de Bolsonaro, esse genocida cot

Qual a relação? Me veio à memória os tempos idos da Casa do Estudante. Lá cheguei vindo do Colégio Diocesano Seridoense, de Caicó. Caicó me abriu uma janela pro mundo, pelo CDS; a Casa do Estudante me

...da derrota de Bolsonaro. É Lula? Não. Lula sabe que nada está definido. Eleição e mineração só depois da apuração. Lição do velho pessedismo dos tempos saudosos do Brasil ingênuo e democrático. Inc