• François

A vilã de lã

Atualizado: 5 de Fev de 2020

Deslanada, não perde o apelo. É o que é e sempre foi a Rede Globo, segunda filha do Jornal o Globo; a primogênita foi a rádio. Perdeu a boquinha da publicidade oficial, preterida pelas redes de Edir Macedo e Silvio Santos, mas continua balançando o rabo e salivando para o governo Bolsonaro. Não quer perder a concessão.

Pedro Bial, intelectual da casa, é um analfabeto erudito. Poeta de versos ocos, ensaísta de plágios, crítico bufão. É a caricatura cultural da televisão brasileira.

Até quando ri, seu riso é um esgar. Uma careta denunciante da farsa de erudição.

Quando faz a crítica deselegante à cineasta de Democracia em Vertigem, não economiza a gosma de inveja. Não analisa o filme, agride a cineasta. Quando recebe de alguém a denúncia de vinculação das milicias cariocas com a família Bolsonaro, ele sai pela tangente dizendo que "não quero personalizar nem individualizar essas relações". Enquanto o denunciante ratifica e reafirma: "É uma vinculação personalizada e familiar".

27 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O rinoceronte acoelhou-se

Pois é. O valentão de dois dias atrás virou coelho, quando lhe apertaram os colhões. Essa tchurma não engana. Tudo valentia de ocasião, esperando que as armas ostensivas e os músculos bombados imponha

O oitão do cajá

O Cajá era um sitio minimalista, de propriedade de minha avó, onde morava seu Bendito do Cajá. Nunca soube do seu sobrenome, conhecido era ele pelo pós nome do sitio onde morava. O sítio era tão sem g

Picaretagem interrompida?

Onde e por quem demonstra a maluquice do país, do qual alguém já disse há muito tempo: "No Brasil não será surpresa se um dia a Sexta Feira da paixão cair numa Terça Feira de carnaval". A que me refir