top of page
  • Foto do escritorFrançois

As tripas de um país fecal

Cujo presidente dá um susto nos aliados ao ter interrompida a tripa cagaiteira. Pois pois, como diria um português de Lisboa. "Ô pá, lamento, mas se todo mundo morre um dia, como disse o próprio gajo, todo mundo também pode vez de quando ter um nó na tripa".


Essa foto do hospital é muito suspeita, pra não dizer coisa pior. A reprise da facada chega numa hora bem conveniente. Preparem-se que ela será repetida tantas vezes quanto precisar, na época dos debates de campanha. Esse foi um ensaio bem sucedido.


Lamento, mas não consigo levar a sério esse negócio. Até porque a prisão de ventre é no intestino de um presidente que não leva a sério o país que "preside" nem o povo que o elegeu.


Ou talvez seja caso de intestino mal usado. Explico. A atividade intestinal de excreção do paciente, no caso, vem sendo realizada diariamente pelo aparelho fonador. Saindo pela fala. O que torna o intestino preguiçoso, pelo desuso.


Agora, ele é incomível, imbrochável, imorrível e incagável.



56 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

Comments


bottom of page