top of page
  • Foto do escritorFrançois

Até que a morte nos ampare

Que seja eleito/

ou que já foi./ E reeleito/

se assim for feito./


Se não tem jeito/ que desembeste/

que vire peste./ Que seja eterno/

e se acomode nos quintos do inferno./


Se o povo é doido,/ maluco de canga e corda/

e o país, doido varrido, entrega-se a qualquer sorte/

que seja eleito/ e reeleito./

E permanente, ninguém se importe/

que seja o patife vitalício/

e nos conduza na maluquice até a morte.



91 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

1 comentário


tcarneirosilva
tcarneirosilva
30 de jan. de 2021

Bem feito. Que esse seja o norte

Curtir
bottom of page