top of page
  • Foto do escritorFrançois

Bengala, ainda não!

Quando criança, a dádiva da infância recebe o mundo de presente,

O sol era meu, o riacho também. Vivi.



Adolescente, esgotei, entre alegrias e atropelos, toda a paisagem, sem fronteiras,

Nas trilhas da adolescência. Vivi.



Maturidade, abocanhando todos os gostos, bons e ruins no quintal do mundo,

Maduro, não precisei cair da árvore, amarelo ou podre.

Fui colhido pelas mãos da luta. Vivi.


Agora, na velhice, não sou velho. Misturo tudo, nacos de cada tempo. Maturidade, o sabor. Adolescência, a esperança. Infância, a irresponsabilidade.

Direito de peidar no palco. Colocar o dedo maior de todos, em pé, ladeado pelo indicador e o anelar, dobrados, e apontá-lo para os hipócritas!

Vivo!





87 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo

Povo e o fascismo pentecostal

Um milhão de pessoas na rua, numa manifestação, não é Povo. Nem dez milhões, nem cem milhões. É Massa. Merece respeito? Sim. Mas não é povo. Povo é o conjunto de todos de um país, cada um compreendido

Pequeno burguês de esquerda

Certa vez, um comentarista do Blog de Carlos Santos, pensando me agredir, chamou-me de ex-comunista. Eu respondi confirmando, para desencanto dele. Disse, na época, que concordava com a afirmação. E q

Desaforismos ao pé do chope.

I- Se em cada cabeça, uma sentença; em cada bunda, uma sentada. II- Tolstói disse que "certas pessoas ao entrarem numa floresta, só veem lenha para a fogueira". Hoje, muita gente olha para para a mu

bottom of page