top of page
  • Foto do escritorFrançois

Bilhete para Assis Câmara

Meu caro amigo Assis Câmara.


Voltando à Serra encontro tudo verde, que eu deixara cinzenta, e chuva franca e roçados nascentes. Chegando ao Sítio, Cajuais da Serra, encontro um presente seu. Sob o signo do Invisível, livro de poesia e ensaios, que você aqui deixou com generosa dedicatória.


Leitura agradável de autor que domina a "última flor do Lácio", sem pedantismo ou modismo de estilo. Escorreito e prendedor. Tem de muito, muita coisa boa. Prosa, filosofia, informações e poesia.


É um álbum fotográfico em forma de textos, de fotógrafo que domina a imagem. Inclusive com a poesia gráfico-visual, o soneto farpado de Avelino Araújo e outro de sua fornalha, primeiro quarteto do vírus, segundo quarteto das máscaras, primeiro terceto das casas, último terceto das vacinas.


E por fim a homenagem que você presta a duas grandes figuras humanas, dois monumentos, que são Paulo Freire e D. Eugênio Sales. Belo livro, Assis. Gostei muito. Só lamento não ter tido o prazer de recebê-lo, pois estava distante. Receba meu abraço e votos de que você esteja bem, você e todos os seus.



30 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

Commentaires


bottom of page