top of page
  • Foto do escritorFrançois

Bilhete pra Orlando

Começo como? Nem sei. Mas, tento vê-lo daqui pra criar coragem. Você vive nesse momento uma inversão da ordem natural das coisas. Pai não foi feito para sepultar filho. Porém, a ordem natural das coisas não é ordem nem natural. Desde que o ser humano por aqui chegou que essa ordem natural deixou de sê-la.


Passamos um pedaço da tarde de hoje, Laurence Nóbrega e eu, dedicando nossas memórias a você. Soubemos da partida de Alan quase na mesma hora. Laurence, por Edgar, o Capitão Gancho, como ele o chama. E eu, pelos parentes de Mossoró.


Foram muitas estórias engraçadas, alegres, de vida. Tanto que terminamos tristes. Temos inveja de você, posto que você crer na vida continuada e permanente da espiritualidade. Eu o invejo, pois não consigo ir além da finitude.


Mas, mesmo assim nos é dado o fardo do sofrimento quando parte alguém do nosso afeto. Embora crendo na continuidade do espírito, na certeza que você tem. Mesmo assim. Sei que Alan foi sua última e mais robusta paixão.


Meu abraço e minha tristeza, receba os dois. E aqui incluo Laurence. Que a memória do filho adorado lhe dê força. Muita força.







45 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

ความคิดเห็น


bottom of page