top of page
  • Foto do escritorFrançois

Burrice aos borbotões...

...inteligência a conta-gotas. Vejo no jornal da manhã que a a estúpida portaria do expediente presencial teve uma pequena revogação. Dispensa dessa estupidez os maiores de 60 anos.


Agora pergunto: E quem, dessa faixa etária, tiver se contaminado, durante a vigência dessa burrocracia? Êin? Sabe o que pode acontecer? O Estado ser acionado para pagar medicamentos, tratamento ou internação hospitalar. Sou Procurador do Estado, e se um processo desses for a mim distribuído, eu direi ao Juiz da causa que me reservo o direito de não defender o indefensável. O desumano. O principal patrimônio do Estado é a pessoa humana, só depois vem a Fazenda e o patrimônio Públicos. Não é dado ao governo descuidar da vida e bem estar do administrado.


E se alguém morreu por esse motivo? Dolo configurado, pois a Governadora assumiu o risco. Sou defensor do Estado, não sou advogado de governo.

43 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

Comments


bottom of page