• François

Castilho

Zé. Todos eram zés. Castilho? Nem o poeta da questão coimbrã ou o goleiro famoso do Fluminense. Virou uma saudade, voando de asas pandas ao vento. Diana do pastoril, não tinha partido. E os dois cordões disputavam sua presença.

"Alô, dá pra ir hoje"? Resposta: "Ninguém veio". E ele: "Então faltou quórum".


"Pô, cê vai? Câmbio". "Só depois, câmbio". O Grande Ponto deserto. Que merda, que derna, que perna incansável. Chegou? Câmbio!



46 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O que falta acontecer neste país brutalizado, estuprado e descido à condição de submundo do crime oficial. Crimes de Estado. Após chacina em favela do Rio, com aplausos de Bolsonaro, esse genocida cot

Qual a relação? Me veio à memória os tempos idos da Casa do Estudante. Lá cheguei vindo do Colégio Diocesano Seridoense, de Caicó. Caicó me abriu uma janela pro mundo, pelo CDS; a Casa do Estudante me

...da derrota de Bolsonaro. É Lula? Não. Lula sabe que nada está definido. Eleição e mineração só depois da apuração. Lição do velho pessedismo dos tempos saudosos do Brasil ingênuo e democrático. Inc