top of page
  • Foto do escritorFrançois

Castilho

Zé. Todos eram zés. Castilho? Nem o poeta da questão coimbrã ou o goleiro famoso do Fluminense. Virou uma saudade, voando de asas pandas ao vento. Diana do pastoril, não tinha partido. E os dois cordões disputavam sua presença.

"Alô, dá pra ir hoje"? Resposta: "Ninguém veio". E ele: "Então faltou quórum".


"Pô, cê vai? Câmbio". "Só depois, câmbio". O Grande Ponto deserto. Que merda, que derna, que perna incansável. Chegou? Câmbio!



50 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

Kommentare


bottom of page