top of page
  • Foto do escritorFrançois

De fraudes intelectuais

E de outras fraudes. O Brasil é um país riquíssimo na edificação de mitos. E mitos são, na verdade, mentiras sacralizadas. Umas sobrevivem e servem na edificação do pensamento humano, exemplos das mitologias grega, latina, caldaica e muitas outras que explicam antropologicamente a geografia cultural dos povos.


Mas não é disso que trato agora. Trato das fraudes que tentam impor como verdade contemporânea determinados ícones de pés de barro, ou cérebros de papel. alvos fáceis da desmoralização intelectual.


O texto cuida de um desses mitos e do seu desmascaramento. Refiro-me ao misto de empresário e jornalista Diogo Mainardi. Ele compõe com outros jornalistas e pensadores o quadro nobre do programa Manhattan Connection, sob o comando do também jornalista Lucas Mendes.


O fato gerador deste texto ocorreu recentemente, quando dentre os convidados estava o Ator Antônio Fagundes. Num certo momento, Lucas Mendes vira-se pra Mainardi e cobra: "Mainardi, o nosso esteio de cultura, fale-nos sobre "Os quatro do Lago". Mainardi fica meio sem jeito, sem querer confessar ignorância, então Luas mendes ajuda, falando de vampiros. Aí Mainardi ri, e diz "é sobre o Lorde Byron com amigos no seu castelo". Nisso, Antônio Fagundes intervém.


"Não é sobre o Lorde Byron, mas sobre a criação da ficção literária vampiresca", atalha Fagundes. E dá um showzinho. Resume a história desse encontro. O caso foi o seguinte. Quatro amigos, escritores, viajavam da Suíça para a Itália, quando foram surpreendidos por terrível tempestade. Refugiaram-se no Castelo de Byron, na Vila Diodati, no Lago Geneva. Sem ter o que fazer, Byron sugeriu que cada um tentasse escrever um texto de terror, numa disputa pra ver quem assustaria mais.


Na época, dos quatro, só eram famosos o próprio Byron e Percy Shelley. Mary Shelley e John Polidori eram desconhecidos. Mas exatamente eles que produziam as obras imortais naquela noite. Mary escreveu o esboço do que veio a ser o "Frankenstein" e John Polidori escreveu o "Vampiro" , que virou por inúmeras adaptações o famoso Conde Drácula.


São os famosos "quatro do Lago". Mainardi ouvia com cara de tacho e Lucas Mendes concluiu: "O culto aqui é o Fagundes". Antônio Fagundes riu e matou: "Não, apenas dei sorte e vocês falaram da única coisa que sei". Baixe o pano.


80 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

1 Comment


Sueleide Suassuna Thin
Sueleide Suassuna Thin
Apr 06, 2021

Que texto! Esse jornalistas de direita hoje não chegam à unha do dedo mindinho do pé de Lacerda. Como diz Eduardo Bueno: "Que saudades da direita que recitva e traduzia Shakespeare, que era amiga do M. Bandeira e do E. Veríssimo". Porque escroto por escroto, é melhor ser escroto e canalha como Lacerda: Um hipócrita culto.

Vá, véi! Continue denunciando. Sua prosa é a minha vingança.

Um cheiro!

Like
bottom of page