top of page
  • Foto do escritorFrançois

De varredores ou de varridos

Atualizado: 10 de out. de 2020

Jair Bolsonaro disse que vai criar um programa de renda básica para os miseráveis, acentuando que pretende varrer o PT do Nordeste. A tática, longe de ser estratégia, foi a mesma que o PT utilizou. A velha, surrada e comprovada ineficiência da esmola. Ponto.


A esmola serve mais ao "generoso" do que ao miserável. Mesmo sendo inevitável nas calamidades. O doador purga culpas, e nessa catarse ainda colhe o beneficio dos votos. Com o voto o pedinte vira "doador" e o doador vira pedinte. E ambos continuam exatamente como estavam antes das eleições, o miserável continua pobre e o doador continua no poder.


Mas é necessário fazer algumas considerações. Quem vai varrer e onde vai ser varrido? O Nordeste não é o único nem o maior bolsão de miséria do Brasil. Todas as periferias das grandes cidades, e de todas as capitais do Sul e Sudeste, sem exceção, são bolsões de miséria que reduz a farrapos a própria condição humana. Na maioria nem precisa ir à periferia. Os próprios centros urbanos são estuários de mendicância.

Todos serão alcançados nessa varredura?


Pois é. Varre daqui o PT de como fica por lá? Manuela D'ávila lidera as pesquisas em Porto Alegre, onde Bolsonaro ganhou folgado. O bolsonarista candidato não está nem no segundo lugar. No Rio, a mesma coisa. Em São Paulo, Russomano, que sempre começa vencendo e nunca ganha, arrancada de leão e chegada de jumento, começou vencendo de novo. Para não cair, virou bolsonarista, já foi lulista, esperando manter ou melhorar a posição nas pesquisas. O que deu? Já caiu dois pontos após o apoio de Bolsonaro. Em todos esses lugares Bolsonaro venceu folgadamente. E transferiu votos.

Agora, começa a desfibrar-se. Cuidado para não cair na cilada da própria tática. Varre daqui os inimigos e é varrido de onde tinha vantagem. Será que a troca compensa?


60 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

Comments


bottom of page