top of page
  • Foto do escritorFrançois

Desencantou-se Moraes Moreira

Pois foi./

Não se encantou,/ mesmo virando borboleta

pra enfeitar o céu./

Encantado ele era enquanto vivo no casulo/

do país que ele amou./

Encantado por seu povo,/sua arte,/arte do povo.

Criança de tamanho gigante,/ coração pulsante/

de menino/.

Moraes,/ morarás de assas abertas na memória

pequena deste país de coleira./

E deixa em nós o "gosto ardido no peito"/

descendo a ladeira./

Té mais, Moraes Moreira!

48 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

Comments


bottom of page