• François

Despedida do Papo Cultura

Por Sérgio Vilar.

Sim, este estimado espaço sucumbiu à solidão do isolamento. Foram três e anos e meio de muito esforço para construir um blog do zero e ganhar de cara o prestígio da cena cultural do Estado.

Criei as redes sociais e um canal no youtube pro Papo. Juntos somam aproximadamente 11 mil seguidores. E mais do que seguidores, um engajamento muitíssimo bacana com média de 800 visualizações ao dia no blog.

E em respeito a todo esse registro publicado aqui e ao material enviado pelos colaboradores, vou manter o blog no ar, pagando anuidade e hospedagem. É um pedaço da história cultural do Estado para futuras pesquisas e um pedaço meu também.

Enfim, desapegar a isso tudo não tem sido fácil. Mas acho também que o Papo chegou ao seu limite. Sozinho e sem apoio financeiro para manter não consigo ir muito além. E sempre queremos mais. Então…

Sempre plural.

Então chegou a hora de juntar as trouxas e voltar pra casa. Há meses que o brother Conrado Carlos me caninga para voltar ao Substantivo Plural, onde estive por cinco anos, entre 2012 e 2017.

Acho que juntos podemos mais. Muitas ideias, empolgação renovada, parcerias em vista e já trabalhando para por o portal no ar de novo. Viremos mais fortes. Em alguns dias ou duas semanas no máximo botaremos a cara na janela de novo.

Um projeto de financiamento coletivo será elaborado. Já tinha tudo montado para colaborar para a manutenção do Papo, mas agora será refeito para manter nosso bom e velho Substantivo Plural, criado por Tácito Costa lá atrás.

É isso. Fecha-se um ciclo para abrir outro. Foi assim com meu saudoso Diário do Tempo. Foi assim com o próprio Substantivo. E agora com o Papo Cultura. Carrego todos os colaboradores junto comigo. Vamos somar no SP.

Muitíssimo obrigado pela parceria de vocês. Em especial a Thiago Gonzaga e Ruben G Nunes por acreditar em nosso conteúdo.

Agora vamos ser plurais!


Do Blog: Lamento a despedida e torço pelo sucesso do novo empreendimento. Serjão é indispensável à nossa Cultura.

46 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O rinoceronte acoelhou-se

Pois é. O valentão de dois dias atrás virou coelho, quando lhe apertaram os colhões. Essa tchurma não engana. Tudo valentia de ocasião, esperando que as armas ostensivas e os músculos bombados imponha

O oitão do cajá

O Cajá era um sitio minimalista, de propriedade de minha avó, onde morava seu Bendito do Cajá. Nunca soube do seu sobrenome, conhecido era ele pelo pós nome do sitio onde morava. O sítio era tão sem g

Picaretagem interrompida?

Onde e por quem demonstra a maluquice do país, do qual alguém já disse há muito tempo: "No Brasil não será surpresa se um dia a Sexta Feira da paixão cair numa Terça Feira de carnaval". A que me refir