• François

Destruir, Freixo?

Atualizado: 13 de Fev de 2020

Meu deus. Você diz no seu discurso que não devemos fazer oposição, não devemos combater, posto que devemos destruir. Destruir? Esse verbo não é do vocabulário democrático. Eu faço oposição, combato. Mas não me vocaciono à destruição. Fiquei triste com seu discurso. E sabe quem deve ter ficado satisfeito? Bolsonaro. Ele é o maior beneficiário do processo destrutivo. Porque ele é um destruidor. E eu pensava que você era um construtor. Pois fique sabendo, e agora depois do seu discurso eu me sinto na legitimidade de ensiná-lo, que esse seu papel colabora com a manutenção do maniqueísmo estúpido que fez Bolsonaro chegar ao poder. E poderá reelegê-lo.

Democracia é construção. Veja que nesse obscurantismo estabelecido ainda estamos numa democracia. Quando um idiota cita uma aula nazista e perde o cargo, só o perdeu porque estamos numa democracia. Numa ditadura, ele continuaria citando Goebbels. Mas a pressão da sociedade o derrubou. Esse obscurantismo estabelecido tem causa. Qual? A nossa má gestão após o enfado no poder, a negação de rodizio, e principalmente a incapacidade da autocrítica. A sua continuação dependerá do nosso comportamento. Se aceitarmos a provocação destrutiva, vencerá a estupidez. Por quê? Porque nesse palco destrutivo eles são mestres. E nós, ingênuos.

Ô Freixo, eu esperava tanto de você!

O fanatismo deforma o caráter. Na política, nas religiões e nos esportes. E o resultado primeiro é a violência.

17 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O rinoceronte acoelhou-se

Pois é. O valentão de dois dias atrás virou coelho, quando lhe apertaram os colhões. Essa tchurma não engana. Tudo valentia de ocasião, esperando que as armas ostensivas e os músculos bombados imponha

O oitão do cajá

O Cajá era um sitio minimalista, de propriedade de minha avó, onde morava seu Bendito do Cajá. Nunca soube do seu sobrenome, conhecido era ele pelo pós nome do sitio onde morava. O sítio era tão sem g

Picaretagem interrompida?

Onde e por quem demonstra a maluquice do país, do qual alguém já disse há muito tempo: "No Brasil não será surpresa se um dia a Sexta Feira da paixão cair numa Terça Feira de carnaval". A que me refir