• François

Dois Tartufos...

...e um país masoquista.


Dois políticos frustrados, sem alcance popular, num tempo da vida, resolveram o caminho transverso da dissimulação. Que levasse muito tempo, ou talvez sem chance do retorno, seguiriam onde estavam fazendo política noutras funções.


Até que, caindo do céu, baixou no colo dos dois a grande chance. Um processo de corrupção, grandioso, baixou no terreiro dos dois. É a chance superadora da frustração.


Resumo pra não encher o saco. Todos conhecem o fato. Um juiz e um promotor. Que se falavam de manhã, de tarde, de noite, de madrugada. O juiz pode fazer isso? Pode. Mesmo falando sobre um processo em curso? Sim. Desde que também fale com a outra parte, que é a defesa. Se não, não é juiz. Pois foi o que aconteceu. Nunca falou com a defesa. Hora nenhuma do dia. Nem no fórum. Mas falava com a acusação, orientava a acusação, sugeria ações da acusação e, pior, parabenizava a acusação. Estragando o resultado das condenações pela nulidade flagrante da sua suspeição.


O juiz largou a magistratura pra ser ministro do candidato que ele ajudou a eleger. Era a superação da antiga frustração. Caiu do cavalo, ou melhor, o cavalo o derrubou. O promotor esperneou, foi "contra" e continuou justiceiro. Até que derreteu a máscara. E agora? Também larga a toga ministerial, no embalo da publicidade adquirida, e vai ser candidato.


Molière, me desculpe. Mas esses dois Tartufos dão de cambão na tartufice da sua peça genial. Baixe o pano!




47 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O que falta acontecer neste país brutalizado, estuprado e descido à condição de submundo do crime oficial. Crimes de Estado. Após chacina em favela do Rio, com aplausos de Bolsonaro, esse genocida cot

Qual a relação? Me veio à memória os tempos idos da Casa do Estudante. Lá cheguei vindo do Colégio Diocesano Seridoense, de Caicó. Caicó me abriu uma janela pro mundo, pelo CDS; a Casa do Estudante me

...da derrota de Bolsonaro. É Lula? Não. Lula sabe que nada está definido. Eleição e mineração só depois da apuração. Lição do velho pessedismo dos tempos saudosos do Brasil ingênuo e democrático. Inc