• François

Domingo colifórmico

Num país fecal. Bares abertos, com cervejas escondidas entre as pernas do cliente e cocos ou água mineral na parte superior das mesas.

Bolsonaristas em Brasília, com carro de som, pedindo assinaturas para criação de um partido proposto por Bolsonaro. E pelo andar da carruagem, o partido Aliança é a mais nova viúva Porcina, a que foi sem nunca ter sido. Coincidentemente interpretada por Regina Duarte, a mesma que na vida real foi secretária de cultura sem ter sido nunca.

Enquanto se mostram suspeitíssimos números de três picaretas do jornalismo de direita, Lacombe, Copolla e Alexandre Garcia, numa live, que seria suficiente para emplacar o partido natimorto de Bolsonaro. Esses números são de pessoas ou de robôs?

Na burocracia eleitoral robô não vota. É um dos poucos benefícios da burocracia. Tem que provar se é gente. E se for gente, se é vivo. E se for vivo se é apenas um e não uma fraude múltipla. Essa fraude de milhões numa live de três picaretas manjados. O chefe mor dessa picaretagem, Alexandre Garcia, enganou idiotas sob o manto mentiroso e iluminado da Globo. Mas sempre foi um lambe coturno da Ditadura.

Um coliforme fecojornalista. Os outros dois são neófitos na lambição.

Mas voltemos ao tema principal. Por que o bolsonarismo não consegue formar um partido? Fosse no ano eleitoral de 2018, teria formado dois partidos. Agora, não consegue criar um. Essa conclusão é um desinfetante no sanitário deste Domingo colifórmico.

73 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Rifa macabra

Isso não é um governo. É uma rifa clandestina entre amigos e sicários da população, posto que dos atos e omissões o resultado foi a mais cruel mortandade populacional da história do Brasil. Amigos civ

As tripas de um país fecal

Cujo presidente dá um susto nos aliados ao ter interrompida a tripa cagaiteira. Pois pois, como diria um português de Lisboa. "Ô pá, lamento, mas se todo mundo morre um dia, como disse o próprio gajo,

Só Cagão? Não...

Azarão também. Cagou para a CPI e azarou a Seleção. Onde Bolsonaro põe a torcido o azar hospeda-se junto. Torceu pro Trump, Trump lascou-se. Torceu na eleição da Bolívia, a esquerda venceu. Torceu pel