top of page
  • Foto do escritorFrançois

E quando morrer?

Atualizado: 4 de mai.


Ao nascer, nem lembro quando,

se chorei, nasci.


Infância de grotas,

chãs, pé de serra,

frutas, sacristias, chuva e seca,

se brinquei,

sorri.


Adolescência,

remanso das dúvidas,

morrem as certezas, velório das crenças,

era a passagem,

saí.


Maturidade,

o toque da ida,

o fazer ou desfazer,

ansiedade ou prazer,

em todas as estações, de cada idade,

Verão, praias cheias de gente vazia,

Inverno, neve de algodão, nas barbas do Nicolau,

tudo suavemente falso,

Outono, frutas nas bancas das calçadas,

Primavera, flores de plástico nos vasos das janelas.


Vida? Foi isso,

depois de nascer parti.


E quando morrer?

Morri.



41 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

Não foi hoje, e sim amanhã

O golpe militar, com apoio ostensivo da imprensa e setores reacionários de civis, inclusive partidos políticos, não se consolidou hoje, 31 de Março, mas amanhã, Primeiro de Abril. Hoje não é o dia de

コメント


bottom of page