• François

Extremos...fujo.


Não que seja sujo. Só extremo. Mesmo limpo, fujo.

Vejamos alguns. Só dois, sem extremada ira.

Apenas visão do meio. 

Pois são tantos os extremos que aqui não caberiam.

Por isso, só dois. 

O intelectual e o imbecil.

Do antigo ao atual, estão ambos no cio. 

Cada um na ponta mais oposta do outro,

tocando-se no fechamento do ciclo, 

cento e oitenta graus de distância aparente.

Dois parentes.

Um sabe quase tudo, mesmo do que não sabe,

escreve mal e se expressa pedantemente.

É o intelectual.

O outro nunca leu nada, nunca aprendeu nada,

mas sabe de tudo. Falava sobre tudo antigamente,

agora, com a net, também escreve. 

E escreve tudo que lhe sai do intestino. 

Intestino, o cérebro do imbecil. 

O intelectual usa o cérebro para encher o saco do cérebro alheio. 

O imbecil usa o intestino para mostrar que nosso cérebro é tão pequeno...


43 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O rinoceronte acoelhou-se

Pois é. O valentão de dois dias atrás virou coelho, quando lhe apertaram os colhões. Essa tchurma não engana. Tudo valentia de ocasião, esperando que as armas ostensivas e os músculos bombados imponha

O oitão do cajá

O Cajá era um sitio minimalista, de propriedade de minha avó, onde morava seu Bendito do Cajá. Nunca soube do seu sobrenome, conhecido era ele pelo pós nome do sitio onde morava. O sítio era tão sem g

Picaretagem interrompida?

Onde e por quem demonstra a maluquice do país, do qual alguém já disse há muito tempo: "No Brasil não será surpresa se um dia a Sexta Feira da paixão cair numa Terça Feira de carnaval". A que me refir