top of page
  • Foto do escritorFrançois

Farra nas armas?

E da grossa. Meu Deus! Nos meus tempos de recruta a gente comprava, escondido, pinga, em Santos Reis. Era soldado raso no Regimento de Obuses. E o grave das Forças Armadas era bancar e manter uma Ditadura, mesclada de milicos incultos e fascistas civis. Porém, pelo menos, até onde sei, havia uma austeridade pessoal no oficialato quanto ao trato com dinheiro público.


E agora? Após a safadeza do leite condensado, no Executivo, vem à tona uma farra churrasqueira nas Forças Armadas. Picanhas de uma boiada daquelas que enchem grandes fazendas do Goiás. E cerveja? Milhões de Reais de cervejas, ao preço unitário mais caro do que o cobrado pelos barracos da orla. Se gritar o quê?, general Heleno? Pegar o quê?, general Heleno? Tenham vergonha na cara!

61 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

Comments


bottom of page