top of page
  • Foto do escritorFrançois

Golpe, que golpe?

Atualizado: 4 de abr. de 2022

Wellington Aires do Couto, de origem mossoroense, lembra um texto antigo meu, de 2017, ele que mora hoje em Remanso, na cidade nova substituta da que foi engolida pela barragem. E ajudou a edificá-la.


Vou responder. Naquele texto eu levantava a impossibilidade do golpe contra a Democracia por falta de condições objetivas. Tais sejam; apoio popular, apoio internacional, interesse americano numa ditadura aqui no Brasil, e principalmente na incapacidade militar das nossas forças armadas de bancar e manter um governo golpista. Completamente incapaz.


Vamos aos fatos. Lição da guerra: Não tema do inimigo o que ele quer contra você, tema o que ele pode. Essa lição de guerra não é brasileira. É de quem já fez guerra. Os militares brasileiros nunca fizeram guerra, montaram golpes. Até a guerra do Paraguai não foi vitória do Brasil, foi uma chacina de três países contra o mais fraco dos quatro. Chacina. Aquilo não foi guerra.


As "guerras" das nossas forças armadas sempre foram contra brasileiros. Operários, estudantes, intelectuais, cientistas. Só.


Agora, o Braga Neto publica uma nota criminosa anistiando tortura e morte, censura e exilio, sinalizando ameaça de golpe. Resultado? Uns medrosos de esquerda dão trela à ameaça. Idiotas, quem late muito morde pouco.


O medo é anterior e pior do que o fato. Medroso é o melhor inimigo pra quem ameaça. O medroso é cúmplice do ameaçador.


Estou torcendo pela tentativa de golpe. Torcendo. Tentem! Uma informação pros idiotas medrosos. Há quatro castas no Brasil que abiscoitam mais de trinta por cento do nosso PIB, no custo com pessoal. São elas: Judiciário, Ministério Público, Tribunais de Contas e Oficialato das Forças Armadas. Essa gente é a dona do barracão de fornecimento da Fazenda Brasil. Essa tchurma quer mudança?


Aqui, ó! Há quartéis do Exército, e não são poucos, que fazem inveja a condomínios de luxo. Inveja por quê? Porque todo o custo é com dinheiro público. Caviar, picanha importada, vinhos clássicos e outra mumunhas. Essa gente vai arriscar-se a perder essa bocona com golpe para manter no poder esse pilantra, corrupto, ladrão, cuja família nunca deu um prego na vida privada, vivendo sempre à custa do Erário? Vai?


Braga Neto, você é um cagão. Augusto Heleno, você é um cagado. Pelo amor de Deus, vocês fariseus que erigem Deus acima de todos, tentem o golpe. Façam esse favor ao Brasil. Tentem. E vocês, esquerdistas de portais esclerosados, parem de cagar nas calças antes da caganeira. Tenho dito.

56 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

Comments


bottom of page