• François

Hipócrita e demagogo

Mentiroso e farsante. Falso triste de velório. Tudo bem, vocês dirão "cadê a repulsa aos adjetivos"? Pois é, porém entretanto mas porém, (né, Limeira?) com sacripantas confessos e pulhas notórios num tem jeito.

Refiro-me ao senhor Jair Messias Bolsonaro. Cujos adjetivos também agasalham-se feito luvas no "caráter" de muitos dos seus acólitos.

O que ele fez? Foi ao velório de um soldado do Exército vitimado por um defeito de paraquedas, num exercício de função. Qual o problema?

O problema é que essa deferência à vítima do acidente não foi um gesto de humanidade, nem de cristianismo, nem de solidariedade. Só demagogia. A mais execrável demagogia.

Onde me arrimo para essa terrível afirmação? No seu próprio comportamento e reação a outros e muitos mortos. Quando se disse a ele o número de mortos pela pandemia, que ele minimizava, sua resposta foi, "e daí? não sou coveiro nem faço milagres". Quando disseram a ele que o Museu Nacional havia sido destruído pelo fogo, ele respondeu, "e daí? foi o fogo, quer que eu faça o quê?, não sou bombeiro".

Um lastimável acidente mata um jovem militar, cujo evento produz tristeza em todos que tomam conhecimento. Mas nenhum de nós diríamos como ele, "e daí? o paraquedas não abriu, quer que eu faça o quê"?

Pois é isso mesmo da adjetivação. Esse sujeito repulsivo nada sentiu pela morte do jovem. Ele aproveitou a morte do soldado para exibir a farsa do seu "patriotismo" e a verdadeira face do militarista frustrado. Só isso.

63 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

O nariz de Pinóquio...

...maior do que a Amazônia. Nunca na história da ONU, setenta e cinco anos, nem quando da guerra fria, em que mentiam soviéticos e americanos, um chefe de Estado mentiu tanto em tão pouco tempo. Quinz

O general e a dança da chuva

Um general, desses que empanzinam o governo, parece que de nome general Ramos, meu deus, disse que a chuva de ontem e hoje no Pantanal foi uma resposta de Deus à visita de Bolsonaro. General de quatro

Reinaldo Azevedo

Quando o Jornalista Reinaldo Azevedo tratava de forma cáustica, principalmente na Revista Veja, os detentores do poder, na época o PT e aliados, sob a liderança de Lula, eu discutia e o defendia nos e