• François

Instituições morrem?

Sim. No esporte também. O problema é que ao morrerem ficam insepultas. Caso do Vasco da Gama e do Botafogo, ambos finados do futebol carioca. Mortos, irreparavelmente mortos. Nenhuma diferença do Canto do Rio, Bonsucesso, Olaria, América, São Cristóvão, Bangu e outros que nasceram, jogaram e morreram. E ninguém mais fala deles.


O problema do Vasco e do Botafogo é que durante a vida foram grandes. Foram. Pretérito perfeito. Foram minguando, minguando, apequenaram-se tanto que nem velório merecem mais. Extintos. Mortos insepultos. E os cretinos da cartolagem, espertos e larápios, usam a burrice das suas torcidas para mantê-los mortos-vivos num velório rentável. Taí a história de Eurico Miranda e Roberto Dinamite, dois escroques da cartolagem, que viveram muito bem das tetas da vaca vascaína. Os sucessores deles aí estão.


Se a torcida de futebol fosse minimamente inteligente, essas duas porcarias já teriam sido enterradas. Mas, a burrice do torcedor sustenta esses patifes. E ficam a vibrar com dois defuntos a feder no abandono de um velório, em cujo cemitério não tem lápide. Meu time morreu há muito tempo. Essa bosta daí furtou um nome que não é seu. Não tenho mais time. Em nenhum dos Rios, de Janeiro ou Grande do Norte.

34 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Rifa macabra

Isso não é um governo. É uma rifa clandestina entre amigos e sicários da população, posto que dos atos e omissões o resultado foi a mais cruel mortandade populacional da história do Brasil. Amigos civ

As tripas de um país fecal

Cujo presidente dá um susto nos aliados ao ter interrompida a tripa cagaiteira. Pois pois, como diria um português de Lisboa. "Ô pá, lamento, mas se todo mundo morre um dia, como disse o próprio gajo,

Só Cagão? Não...

Azarão também. Cagou para a CPI e azarou a Seleção. Onde Bolsonaro põe a torcido o azar hospeda-se junto. Torceu pro Trump, Trump lascou-se. Torceu na eleição da Bolívia, a esquerda venceu. Torceu pel