top of page
  • Foto do escritorFrançois

Isolamento? Cerveja.

Físico, químico, pele.

Gesto, distante, silêncio repele.

Tocar-se? Nem pense.

Falar-se? Dispense.

Disperse, afaste-se

Mascare-se, esconda-se,

E fuja feito barata/ temendo o pé que te esmaga.

É Cafka? Processe.

Discuta de longe, escute em silêncio

Não fale, tem gotas de cuspe no crime.

Se lave, se leve, se suma.

E espere a carícia da espuma.

44 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

1件のコメント


Sueleide Suassuna Thin
Sueleide Suassuna Thin
2020年4月15日

Que delícia de poema! Não fosse o corona, eu dava um beijo nessa espuma.

いいね!
bottom of page