• François

Lula, Moro, Fachin, Bolsonaro

Bastam esses nomes para arrebanhar a saudade de um país que já houve. Juscelino Kubitschek, Evandro Lins e Silva, Sobral Pinto, Leonel Brizola.


Um país que já houve. Começou a deixar de ser quando os coturnos da imbecilidade e ganância militares resolveram tomar posse de uma capitania contando com o apoio de capitãs do mato civis, enjoados de perder eleições. Esses civis foram traídos e humilhados pela milicada, agora inebriados pelo poder.


E de lá pra cá foi só mediocridade política, pequenez jurídica e acabrunhamento moral. Esse país que se sustenta apenas na geografia, cuja história habita no calabouço da historiografia, banha-se no esgoto e perfuma-se de escatol.


Saudade do país que já houve? Nem sei. Talvez não seja saudade, ou nostalgia, seja tão somente a constatação de que o país que não há dificilmente haverá se o útero infecto desse parto medíocre continuar parindo líderes da qualidade e fisionomia desse rebanho que por aí se espraia desmanchando a esperança e apodrecendo o poder, já esgarçado e desmoralizado.


Antes do noticiário da manhã, vou pegar a dose de Plasil.

50 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Rifa macabra

Isso não é um governo. É uma rifa clandestina entre amigos e sicários da população, posto que dos atos e omissões o resultado foi a mais cruel mortandade populacional da história do Brasil. Amigos civ

As tripas de um país fecal

Cujo presidente dá um susto nos aliados ao ter interrompida a tripa cagaiteira. Pois pois, como diria um português de Lisboa. "Ô pá, lamento, mas se todo mundo morre um dia, como disse o próprio gajo,

Só Cagão? Não...

Azarão também. Cagou para a CPI e azarou a Seleção. Onde Bolsonaro põe a torcido o azar hospeda-se junto. Torceu pro Trump, Trump lascou-se. Torceu na eleição da Bolívia, a esquerda venceu. Torceu pel