top of page
  • Foto do escritorFrançois

Lula, Moro, Fachin, Bolsonaro

Bastam esses nomes para arrebanhar a saudade de um país que já houve. Juscelino Kubitschek, Evandro Lins e Silva, Sobral Pinto, Leonel Brizola.


Um país que já houve. Começou a deixar de ser quando os coturnos da imbecilidade e ganância militares resolveram tomar posse de uma capitania contando com o apoio de capitãs do mato civis, enjoados de perder eleições. Esses civis foram traídos e humilhados pela milicada, agora inebriados pelo poder.


E de lá pra cá foi só mediocridade política, pequenez jurídica e acabrunhamento moral. Esse país que se sustenta apenas na geografia, cuja história habita no calabouço da historiografia, banha-se no esgoto e perfuma-se de escatol.


Saudade do país que já houve? Nem sei. Talvez não seja saudade, ou nostalgia, seja tão somente a constatação de que o país que não há dificilmente haverá se o útero infecto desse parto medíocre continuar parindo líderes da qualidade e fisionomia desse rebanho que por aí se espraia desmanchando a esperança e apodrecendo o poder, já esgarçado e desmoralizado.


Antes do noticiário da manhã, vou pegar a dose de Plasil.

54 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

Comentários


bottom of page