top of page
  • Foto do escritorFrançois

Morre uma Rainha...

...e eu lamento e fico triste.


Nunca gostei da pompa besta das cortes ou dos palácios. Criticava e produzia ironias quando Renato Machado, na Globo, noticiava o nascimento de um príncipe inglês, e falava até sobre o cocô saudável do novo herdeiro da corte bretã.


Mas, sou um escravo da condição humana. Essa miserável e bela condição dos seres pensantes, que pensam serem superiores e terminam todos na mesma vala da insignificância, na mastigação voraz da Terra.


A Rainha da Inglaterra morreu. Lamento. Há, dela, na minha memória, um episódio nada heroico ou exuberante, que me fez seu admirador. Foi sobre a morte da sua nora, a princesa Diana. A corte inglesa estava sob ataque, e ela suportando bordoadas.


Ela decidiu sair ao desabrigo da rua. E havia um pátio grande com muitas flores, fotos, homenageando a princesa morta. Ela caminhou entre as flores e os presentes.

Nisso, ela viu uma criança com um ramalhete de rosas. Aproximou-se da menina e perguntou: "Quer que ponha lá"? A menina disse: "Não". Ela fez uma cara de tristeza ou decepção e respondeu: "Tá certo". Aí a menina disse: "Não é pra colocar lá, é pra você". O rosto dela transformou-se, de triste para gratidão, "Ô, muito obrigada". Recebeu o ramalhete e saiu vencedora.


A condição humana. Há um fosso entre a senzala e o palácio. Intransponível. O da senzala não vive, existe miseravelmente. O do palácio vive, entre o luxo e a desgraça humana. Porém, numa coisa terminam todos do mesmo jeito. Todos, da senzala ou do palácio, sem exceção, escravos do mesmo destino. A morte.


Contudo, o destino da vida não é determinante. Da morte, sim. Mas a desgraça da vida, na injustiça da desigualdade, é obra nossa. Dos que detém o poder de comandar e dos que sofrem esse comando sem a revolta de lutar.


Morreu uma Rainha. E o mundo continua vassalo da exploração.





75 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

Bình luận


bottom of page