top of page
  • Foto do escritorFrançois

A angélica picaretagem

Atualizado: 22 de jun. de 2020

Quando eu vi, na primeira vez, esse Wassef, o "Anjo", dando uma entrevista na televisão, veio-me à memória a teoria da denunciação facial da criminalidade, da autoria de Cesare Lombroso, na sua concepção da antropologia criminal. Mas não foi o sentido criminal, no caso do "Anjo", que me remeteu ao ilustre psiquiatra. Foi outra denunciação. Ao vê-lo, naquela primeira vez, disse a mim mesmo: Taí um picareta, cuja picaretagem a face escancara.

Não deu outra. E como todo picareta, mentiroso. E como todo mentiroso compulsivo, desonesto. Não satisfeito em ter dito na entrevista referida que não sabia do paradeiro de Queiroz; agora, descaradamente informa que "nunca falara com o Queiroz e não sabia que ele estava na sua casa". E que a "casa estava com os móveis do lado de fora, em obras" e que não havia ninguém morando lá. É ou não é um descarado? Todo mundo viu a entrada da polícia. Todos os móveis na casa, com o Queiroz lá dentro, onde morava há cerca de um ano, segundo o caseiro. A filha do Olavo de Carvalho já havia fotografado a casa, denunciando esse esconderijo, mas ninguém lhe dera crédito.

E o "esquema particular" de informação de Bolsonaro, que ele disse possuir naquela reunião das patifarias, engoliu mosca. Enquanto o "Anjo" andava serelepe no meio das movimentações da posse do ministro Fábio Faria, a policia e preparava o bote. E tanto o presidente quanto seu advogado, dançaram na desinformação. E Queiroz dançou no xilindró.

Esse é o resultado de confiar na angélica picaretagem do poder macunaímico sem caráter. Mas faça-se justiça a Macunaíma; não tinha caráter, mas tinha inteligência.


De Rômulo Gurgel:

Disse o Anjo sobre Bolsonaro: "Viramos uma pessoa só". E inventaram que ele pediu o boné, não é mais adivogado da gangue angélica. Estão bajulando-o para ele não abrir o bico. Esse Anjo sabe demais...demais.


61 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

Comments


bottom of page