top of page
  • Foto do escritorFrançois

O bufão e a ópera bufa

Taí o que é a decantada maior democracia do planeta. Uma bufa de teatro burlesco. E não é desmoralizada por nenhum inimigo externo ou algum inimigo interno. Não. É o presidente dessa democracia de miçanga, de chuleio de tecido esgarçado.


E ainda se acham no direito de impor regimes e nomes de seus lacaios no domínio de países pobres pelo resto do mundo.


Isso é a pátria da democracia? Merda nenhuma. É cocô esborrando pelas beiras da fossa. E fora da cloaca, como diria Branchu, tudo é beira.


Estados Unidos da América. Esse nome hoje soa como um ocupante da latrina numa desbarrigada de caganeira. Viva Trump, que tirou a máscara dessa bosta. Mesmo que seja ele o cagão número um. Porém, não caga nem desocupa a moita.

43 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

Comentarios


bottom of page