top of page
  • Foto do escritorFrançois

O cagão e a China

Disse o cagão: "É uma maldade dizer que eu me referi à China, pois não citei a palavra China". O que foi que ele disse? Disse que o vírus corona pode ter sido produzido em laboratório, para ser usado numa guerra bacteriológica. E perguntou: "Qual país teve seu PIB mais crescido? Não vou responder".


A que país ele se referia? Ora, ora, ora. Quando um funcionário chinês deu-lhe um puxão de orelha, o cagão acocorou-se. E desdisse o que disse que não tinha dito. Cagão.


Há um cagão, negacionista, fascista, analfabeto, estúpido que é presidente de um país da América Latina. Não estou acusando ninguém. Em nenhum momento eu disse o nome de batismo que foi posto no cagão. De quem falei? Sei não.



57 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

Comentarios


bottom of page