• François

O caráter e o talento

Atualizado: 20 de Out de 2020

Tempos de acentuação vertical do mau-caratismo. A pergunta paira sobre a realidade política e cultural do continente de Vera Cruz. Fulano é talentoso? A pergunta sai numa reunião de jornalistas e produtores culturais. Alguém responde: É, mas o problema dele não é o que sobra de talento, é o que falta de caráter.


Ai a discussão passou para o dilema, o bom talento consegue melhorar o mau caráter? Venceu a resposta negativa. E o contrário, o mau caráter consegue contaminar o bom talento? Vitória da resposta positiva.


Pois é. Nesses tempos sombrios de tanta aberração cultural, política e social; de miséria intelectual, o mau-caratismo tem dominado majoritariamente a circunavegação de crápulas e pústulas. Pelas folhas, pelas artes e artimanhas.


Nada a ver com ideologia; esquerda ou direita. O caráter é aideológico, paira em todas as tendências, dentro ou fora da Rosa dos Ventos. No jornalismo tradicional, no televisivo, nas redes sociais. O bom caráter talentoso presta serviço democrático, o mau caráter não presta. Simples assim.


De Rômulo Gurgel, por E-mail: (lá de Mossoró)

"Parece ver um canônico, acadêmico, protagórico, árbitro da escrita e dos costumes. "Será que só parece?... Tá cheio deles por aí".


De Erasmo Batista, por E-mail.

"E quando se ouve um fascista dando aula de Democracia? A solução é o controle remoto, né não"?

54 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Aplauso

Não tenho alinhamento automático com nenhum partido ou grupo ideológico da atual vida nacional. Nenhum. Situo-me na posição de esquerda independente, abominando todo e qualquer tipo de fundamentalismo

Padre Tércio...

...mais um desmanche do passado. E como dói. Não doem os músculos nem o coração, é o passado que dói. Quando cheguei ao Ginásio Diocesano Seridoense, que depois virou Colégio, em 1961, o diretor era M

"O Partido Republicano morreu"

Foi algum comunista que disse? Ou algum esquerdista americano? Ou o presidente da Venezuela? Ou um líder cubano? Não, não, não. Foi Donald Trump, hoje, num discurso insuflando a massa a invadir o Capi