top of page
  • Foto do escritorFrançois

O erro de Sérgio Reis...

...que eu também cometi.


"Eu sou democrático". Disse Sérgio Reis, ou rês, maltratando a "última flor do Lácio". mas, não posso esquecer que também cometi esse erro. Quando e onde? Meados de 1964, tempos de internato no Ginásio, depois Colégio Diocesano Seridoense, em Caicó.


Foi o seguinte. Havia um jornalzinho na cidade, A Folha, se não me trai a memória, que me pediu um artigo sobre o "novo" regime implantado no Brasil, já no governo Castelo Branco. O pedido foi feito por Paulo Celestino, um dos dirigentes d'A Folha. E o artigo foi publicado.


Um texto ingênuo, inculto, de adolescente. Porém, falando mal do golpe militar e defendendo a Democracia. Lá pras tantas eu escrevi, "digo isso porque sou um democrático".


Padre Tércio entrou na sala de aula, de olho aboticado para mim, trazendo o jornal e o abriu na mesa. Apontou pra mim, depois colocou o dedo sobre o texto e disparou: "Aqui tem uma coisa grave, muito grave". Alguns colegas riram e disseram "é coisa de comunista"... Padre Tércio, ainda irado, repreendeu: "Que comunista, seus ignorantes"! E continuou: "As ideias no texto não são ruins, até são boas, mas há um crime contra a língua portuguesa". Aí os adversários, que os tinha, vibraram.


O futuro Monsenhor, mestre e amigo de toda a vida, explicou. "Democrático é adjetivo impessoal, cabível a instituições e não a pessoas. Partido democrático, associação democrática, posição democrática, etc. Gente, não. Gente é democrata. E pronunciou bem alto as últimas sílabas,"crata". "Eu sou democrata".


Quando eu dirigia a Fundação José Augusto, ele me procurou para uma ajuda na construção de uma piscina olímpica no CDS. Que atenderia a prática de natação para os colégios públicos. Atendi seu pedido, que já havia sido feito por Aluísio Lacerda.

Comentamos sobre esse episódio, e rimos bastante. Ao sair, ele despediu-se assim: "Muito obrigado senhor democrático".


Essa ajuda rendeu um processo criminal movido contra mim pelo Ministério Público. Um dos muitos em que fui absolvido. Baixe o pano.

48 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

Comments


bottom of page