top of page
  • Foto do escritorFrançois

O general ameaça o Supremo

Todos com muito medo, eu também. O general Heleno mandou selar um jegue pra assustar o Supremo. Sela caraubense, tecida em brilhos de ouro, brida de couro curtido, cilha de sola fina, rabichola de larga feitura.

E marchou atravessando a Praça dos poderes, para postar-se diante da Corte suprema. Rinchou, não ele, o jegue. Ele com o peito cheio de medalhas, de batalhas onde ele nunca esteve, de lutas que nunca travou. A não ser ordem unida, instruções teóricas e nada mais.

O atendente do tribunal saiu pra atender à presepada. O quadro geral mostrava um homem medalhado montado num jumento. Mas, ao olhar pra cada rosto, o atendente não distinguiu muita diferença entre o olhar ameaçador do general e o olhar enfadado do pobre jegue.

50 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

Comments


bottom of page