• François

O Grande Jairo Lima.

Por Joca Souza Leão, na Revista Algomais de Pernambuco.


Jairo Lima foi meu amigo. Grande, enorme. Por mais de 40 anos. Jairo foi o cara mais inteligente, culto, criativo, ético, bom caráter, generoso e altruísta que conheci. Não tinha invejas. Nem grandes nem pequenas. De nada. Nem de ninguém. Tinha ouvido absoluto. E uma memória monumental. Jairo Gonçalves Lima. Sertanejo de Arcoverde, 73 anos. Morreu em casa, na Torre, no último domingo de outubro. Poeta, escritor, dramaturgo, ensaísta, crítico, pensador, musicólogo e redator de propaganda. Jairo Lima não foi mais porque não quis. Não fez fama e dinheiro porque não quis. Isso. Não quis. Ao longo da vida, escreveu, leu, viu e ouviu tudo que quis. “Cuidado pra não derrapar” – recomendava ele, citando um barbeiro de Arcoverde (ou de Triunfo?) metido a filólogo e crítico literário. A recomendação valia para qualquer texto, de qualquer autor. Vale, pois, para este texto aqui, que tento (a duras penas) escrever. Imagino-lhe dizendo: “Cuidado pra não derrapar, Joca”. Ou seja, cuidado pra não cair no piegas, no sentimentaloide, adjetivoso. É prudente, caro leitor, leitora, não escrever sobre amigo morto há pouco. O risco de derrapagem é grande. E em pista molhada, então, nem se fala. Volto, pois, à pista seca, a caminho do sertão. O intelectual erudito Jairo Lima era também um conversador de papo afiado, bem-humorado, bom bebedor, guloso, fumante e contador de histórias, na melhor tradição sertaneja e nordestina. Seu Crispim era um dos personagens preferidos da infância. “Estúdio Fotográfico Crispim. O melhor de Arcoverde” – como anunciava a placa na fachada da casa de porta e janela. No estúdio, cenários pintados com temas acadêmicos, românticos, religiosos e artísticos. Ao gosto do freguês. Ou para ambientar o tema da foto. Casamento, formatura, batizado, posteridade… Tudo pronto. Câmera no tripé, foco e flash conferidos, pano preto (que cobria até a cabeça do fotógrafo) para a luz ambiente não queimar o filme antes do tempo, e Seu Crispim perguntava ao freguês por perguntar, pois já ia dando as instruções, antes mesmo de ouvir a resposta: “É foto para documento ou é foto para a eternidade? Se for para documento, olhe pra’qui, pra lente da câmera; se for para a eternidade, olhe pr’aquele prego ali, no alto da parede.” – Olhe para o prego na parede, Jairo Lima! – Eu não! Eterno é Dante. Eterno é Bach. Lembrança de 6 anos atrás hoje, no facebook das minhas mulecas:

"François Silvestre, pare com esta coisa irritante de ser inteligente e ter sempre razão. O que vc diz sobre gênio é exato, irretocável, até pros sábios chineses da V Dinastia, como o Lao Tze." Poeta Jairo Lima.

(Esse comentário de Jairo Lima foi sobre um texto meu a respeito da genialidade. Sobre a vulgarização de nominar gênios. Principalmente nos esportes. Quando essa "genialidade" tem prazo de validade) O texto era bem amplo. Mas ele resumiu genial e generosamente, num site que acolhia bastante leitura no Recife.

46 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Caras de bunda

Tivemos recentemente dinheiro na bunda. Hoje temos nádegas nas fuças. A que me refiro? Aos comentários de alguns fascistóides da imprensa nacional inconformados com a vitória popular na Bolívia. Num d

O caráter e o talento

Tempos de acentuação vertical do mau-caratismo. A pergunta paira sobre a realidade política e cultural do continente de Vera Cruz. Fulano é talentoso? A pergunta sai numa reunião de jornalistas e prod