top of page
  • Foto do escritorFrançois

O mundo virou Paris?

Dizia Newton Navarro, pintor de cajus sem travo, poeta de palavras e gestos, que em Paris todos os dias eram Domingo. Completava aquele verso de Valfran de Queiroz, definindo Paris: "Uma maçã no meio do caminho".

Pois bem. O mundo virou uma Paris opaca, a negar o apodo de Cidade Luz. Por que essa comparação? Porque nesse tempo de isolamento, confinamento e distâncias você não sabe que dia é da semana, ao acordar. Todos os dias são Domingo. Assim mesmo no singular, posto que são dias igualmente chatos. E o Domingo só é alegre para as crianças. Para os vividos o Domingo é apenas o anúncio da Segunda-Feira.

Agora, nem isso. Porque a Segunda não vem. E da Terça-Feira em diante todos os dias sumiram da lembrança ao amanhecer do dia. E na televisão a novidade é a mesma do dia anterior. Apelo a Albert Camus, "com tanto sol armazenado na memória como pude apostar no absurdo"?


Por Honório de Medeiros, pelo WhatsApp:

"O mundo virou Paris"? É uma pintura. De Lautrec.



48 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

1 Comment


fernandatamisa
fernandatamisa
Apr 04, 2020

Sensacional... O poema! Os domingos têm sido pesados...

Like
bottom of page