• François

O oitão do cajá

O Cajá era um sitio minimalista, de propriedade de minha avó, onde morava seu Bendito do Cajá. Nunca soube do seu sobrenome, conhecido era ele pelo pós nome do sitio onde morava.


O sítio era tão sem graça, sem pomares, sem atrativos, que até os bodes dormiam, durante o dia, no oitão da triste casinha de taipa, onde seu Benedito aboletara-se ainda jovem e lá veio a morrer com quase um século de vida.


Pois assim está o Brasil. Tão sem graça, sem esperança, sem futuro, sem apelo, que até os bodes dormem de dia pra não berrarem ante tamanha desmotivação.

Aqui, nesse meu oitão, espantei um pouco a pasmaceira com a Live de Maria Betânia, o texto de Tácito Costa sobre a mesma Live e terminando o livro de Tião Carneiro. Uma taça de vinho muito bem degustada. Acompanhei tudo com algumas garfadas de paçoca de mucunã e cuscuz de macambira.


Mas o Brasil não é mais do carnaval nem do futebol. É um país de bola murcha. De civis sem civismo e de militares sem vergonha.

97 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O que eles disseram no verão passado.

Há dois ou três anos, não sei precisamente, o deputado Eduardo Bolsonaro declarou que "Quem pede ao Supremo para ficar calado numa CPI é um covarde". Na mesma época, o também deputado e depois ministr

O cagão e a China

Disse o cagão: "É uma maldade dizer que eu me referi à China, pois não citei a palavra China". O que foi que ele disse? Disse que o vírus corona pode ter sido produzido em laboratório, para ser usado