• François

"O samba agoniza, mas não morre"

Pois pois, mestre Nelson Sargento. Você, que não é imortal de nenhuma academia, não morrerá nunca na memória do samba. Nem na história dos vivos, que vivem de sustentar a memória dos mortos, talvez tentando em vão escapar da morte.


Sargento é uma patente militar. Em você, não. Mesmo não sendo, você merece todas as continências. Sargento superior aos generais da atualidade. De todos? talvez não. Porém, entretanto, mas porém, nesse generalato que se sustenta entre a desfaçatez da disciplina dos cabides de emprego, da hierarquia de ocasião, você, Sargento Nelson, é muito mais superior. Aceite minha continência, de reservista de primeira categoria. Isso mesmo. Sou recruta reservista de primeira categoria.


E para esses generais pazuelentos, pançudos e venais de cargos, minha continência é o dedo maior de todos em pé, ladeado pelos dedos apontador e anelar, agachados, como amparo ao recado do dedo maior.


Viva o Sargento, Nelson do samba. Que igualmente à Democracia, agoniza, mas não morre.


30 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Rifa macabra

Isso não é um governo. É uma rifa clandestina entre amigos e sicários da população, posto que dos atos e omissões o resultado foi a mais cruel mortandade populacional da história do Brasil. Amigos civ

As tripas de um país fecal

Cujo presidente dá um susto nos aliados ao ter interrompida a tripa cagaiteira. Pois pois, como diria um português de Lisboa. "Ô pá, lamento, mas se todo mundo morre um dia, como disse o próprio gajo,

Só Cagão? Não...

Azarão também. Cagou para a CPI e azarou a Seleção. Onde Bolsonaro põe a torcido o azar hospeda-se junto. Torceu pro Trump, Trump lascou-se. Torceu na eleição da Bolívia, a esquerda venceu. Torceu pel