top of page
  • Foto do escritorFrançois

"O samba agoniza, mas não morre"

Pois pois, mestre Nelson Sargento. Você, que não é imortal de nenhuma academia, não morrerá nunca na memória do samba. Nem na história dos vivos, que vivem de sustentar a memória dos mortos, talvez tentando em vão escapar da morte.


Sargento é uma patente militar. Em você, não. Mesmo não sendo, você merece todas as continências. Sargento superior aos generais da atualidade. De todos? talvez não. Porém, entretanto, mas porém, nesse generalato que se sustenta entre a desfaçatez da disciplina dos cabides de emprego, da hierarquia de ocasião, você, Sargento Nelson, é muito mais superior. Aceite minha continência, de reservista de primeira categoria. Isso mesmo. Sou recruta reservista de primeira categoria.


E para esses generais pazuelentos, pançudos e venais de cargos, minha continência é o dedo maior de todos em pé, ladeado pelos dedos apontador e anelar, agachados, como amparo ao recado do dedo maior.


Viva o Sargento, Nelson do samba. Que igualmente à Democracia, agoniza, mas não morre.


32 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

Comments


bottom of page