top of page
  • Foto do escritorFrançois

O serviço de Trump...

...contra a hipocrisia.

Essa coisa do não reconhecimento da derrota e de não convidar o vencedor à Casa Branca, civilizadamente, como costumava acontecer há séculos, retirou a máscara da decantada "perfeição" da democracia americana. A História fica devendo isso a Donald Trump. Palmas para ele.

O engraçado é que os americanófilos brasileiros, trumpistas, esquecem que, ao apoiar o esperneio de Trump, acabam por equiparar a democracia idolatrada do Tio Sam à democracia eleitoral da Venezuela. Qual a diferença? Segundo Trump, nenhuma. "Foi a eleição mais roubada da história". Disse e repete Donald Trump. E seus fanáticos seguidores aplaudem e confirmam a denúncia. Inclusive os daqui.


Quer dizer o quê? Que era tudo uma grandiosa farsa. O Próprio Donald Trump perdeu para Hilary Clinton nos votos populares gerais. Mas ganhou nas mumunhas democráticas da eleição indireta. Barak Obama e a própria Hilary reconheceram a derrota. E Trump foi convidado à Casa Branca, antes da posse.


Agora, Joe Biden ganhou nas eleições populares gerais com mais de sete milhões de votos de maioria. Não bastando, ganhou no Colégio Eleitoral de lavada. Vitorioso nas diretas e na indireta. Não aceitando a derrota, Donald Trump foi à luta. Denunciou fraudes, sem prová-las ou não, não sei. Perdeu todas as ações judiciais. Não se conformou e diz que foi roubado.


Pôs dúvida na eleição, pôs dúvida na apuração, pôs dúvida na certificação pelo Colégio Eleitoral. Agora, está demonstrando que até a Justiça da decantada democracia americana é uma grandessíssima merda. Kkkkkkkkkkk. Meus tempos de Casa do Estudante não mereceram um presente de tamanho júbilo. Obrigado, Donald Trump. Foi tarde, mas valeu!


44 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

Comments


bottom of page