top of page
  • Foto do escritorFrançois

Os discursos na sintática...

...que responderam ao arroto do golpe fracassado.


O discurso de Luiz Fux é uma oração completa, com sujeito, predicado verbo-nominal, complementos e adjuntos.


Os discursos de Artur Lira e de Augusto Aras são orações subordinadas, carentes da oração principal, com sujeito indeterminado e predicado oculto. Coisa de "tanto faz não ser assim, como ser de outro jeito ou quem sabe diferente".


Lira fala tão cretinamente amador, que os olhos parecem envergonhados do que a boca diz. Aras, não. É um profissional da cretinice. Olhos e boca se combinam. Alguém disse, e eu concordo, que são dois discursos que podem ser feitos em batizado ou velório. Isto é, servem pra tudo. E o que serve pra tudo não serve pra nada.


Artur Lira abdicou da condição de representante do povo para assumir escrachadamente a gerência da rifa jogada entre o governo e o centrão. É ele o dono da Casa de Jogo, cujos dados jogados na mesa indicam a servidão ao escambo.

Augusto Aras não representa o Ministério Público, não. É o procurador geral do governo, e por ele procura, que tenha ou não tenha cura.




66 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

Comments


bottom of page