top of page
  • Foto do escritorFrançois

Os discursos na sintática...

...que responderam ao arroto do golpe fracassado.


O discurso de Luiz Fux é uma oração completa, com sujeito, predicado verbo-nominal, complementos e adjuntos.


Os discursos de Artur Lira e de Augusto Aras são orações subordinadas, carentes da oração principal, com sujeito indeterminado e predicado oculto. Coisa de "tanto faz não ser assim, como ser de outro jeito ou quem sabe diferente".


Lira fala tão cretinamente amador, que os olhos parecem envergonhados do que a boca diz. Aras, não. É um profissional da cretinice. Olhos e boca se combinam. Alguém disse, e eu concordo, que são dois discursos que podem ser feitos em batizado ou velório. Isto é, servem pra tudo. E o que serve pra tudo não serve pra nada.


Artur Lira abdicou da condição de representante do povo para assumir escrachadamente a gerência da rifa jogada entre o governo e o centrão. É ele o dono da Casa de Jogo, cujos dados jogados na mesa indicam a servidão ao escambo.

Augusto Aras não representa o Ministério Público, não. É o procurador geral do governo, e por ele procura, que tenha ou não tenha cura.




66 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Povo e o fascismo pentecostal

Um milhão de pessoas na rua, numa manifestação, não é Povo. Nem dez milhões, nem cem milhões. É Massa. Merece respeito? Sim. Mas não é povo. Povo é o conjunto de todos de um país, cada um compreendido

Pequeno burguês de esquerda

Certa vez, um comentarista do Blog de Carlos Santos, pensando me agredir, chamou-me de ex-comunista. Eu respondi confirmando, para desencanto dele. Disse, na época, que concordava com a afirmação. E q

Desaforismos ao pé do chope.

I- Se em cada cabeça, uma sentença; em cada bunda, uma sentada. II- Tolstói disse que "certas pessoas ao entrarem numa floresta, só veem lenha para a fogueira". Hoje, muita gente olha para para a mu

bottom of page