top of page
  • Foto do escritorFrançois

Os tanques helênicos

Da antiga civilização grega e agregados conquistados? Não. São os tanques comandados pelo general Heleno, aquele guerreiro com muitas medalhas debruadas no pijama de bolinhas.


E o que têm esses tanques a ver com isso? Serão oferecidos por Bolsonaro ao presidente russo, não confundir com ruço, mesmo que lá pras bandas da Ucrânia a coisa esteja mais ruça do que russa.


Pois bem, berenrem bembem, Bolsonaro vai oferecer nossos tanques ao seu colega Putin, o rei da Rússia. São aqueles tanques que espalharam muita fumaça pelas ruas de Brasília, naquele desfile de exibição que deixou salivando a mulecada do fumacê.


Quando os nossos tanques chegarem à fronteira ucraniana, no show da fumaça, a população assustada perguntará: "De onde vieram esses tanques, meu Deus do céu"? E a resposta será: "Vieram da Europa". Aí, um oficial indagará: "Aqui do continente, de qual país"? E virá a resposta esclarecedora: "Não. São tanques do Heleno, vieram da Europa, a lua de Júpiter". Ao que a Ucrânia render-se-á, mansa e incondicionalmente.

31 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

Comments


bottom of page