top of page
  • Foto do escritorFrançois

País, que país?

O Brasil consegue a proeza de destacar-se, politicamente, no meio mundo da destemperança. É o maior dentre os piores, o mais estúpido entre os idiotas. O mais senil entre os malucos. A grandeza da nossa estupidez consegue, nos tempos atuais, superar em tamanho o mapa continental.


Um presidente da república analfabeto de pai e mãe, que pariu filhotes analfabetos de avô e avó. Um vice presidente da mesma republiqueta, general, que não sabe a diferença entre semiárido e cristalino. Um outro general, mentalmente rombudo, ministro de saúde, que não consegue alcançar os termos de uma bula de medicamento, pedindo diariamente ao chefe orientação "médica". Um bando de desatinados "governando" um país desembestado.


Uma suprema corte composta de supremas mediocridades. Um parlamento comprável. Uma constituição jogada no lixo. Uma oposição de cócoras, tentando evacuar numa moita de pouca sombra. Instituições culturais entregues a estúpidos declaradamente ignorantes.


País, que país? Cazuza e Renato Russo nem ousariam perguntar.

29 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

Commentaires


bottom of page