top of page
  • Foto do escritorFrançois

Padre Tércio...

Atualizado: 15 de jan. de 2021

...mais um desmanche do passado. E como dói. Não doem os músculos nem o coração, é o passado que dói.


Quando cheguei ao Ginásio Diocesano Seridoense, que depois virou Colégio, em 1961, o diretor era Monsenhor Walfredo, que eleito vice-Governador no ano anterior, foi substituído pelo Padre Itan Pereira. Padre Ausônio Tércio de Araújo era o professor de francês. Depois assumiu a direção. Padre João Agripino, de matemática. Também ensinava matemática o professor João Diniz, o admirável João Bangu, como era conhecido. E sua mulher, dona Neta. Plácido Saraiva, o bode rouco, lecionava português. Padre Balbino, latim. Professor Guerra, geografia. Dona Iracema, história. Padre Antenor, religião.


Quase todos já se foram, e em homenagem aos vivos eu me curvo reverencialmente ante a inapelável sina do todos nós. Parte agora o Padre Tércio. Com quem mantive ao longo de toda a vida uma relação de amizade e afeto. Era um educador no sentido mais completo e extensivo da palavra.


Vejo agora, pelo olhar turvo da memória aqueles corredores guarnecidos de arcadas da mais simples nobreza, como sói ser a simplicidade do que é verdadeiramente nobre. As salas de aulas, os dormitórios, o refeitório e suas freiras adocicadas de humildade, a capela que separava o ginásio do seminário, o campo de futebol e os bebedouros em fila numa parede azulejada.


E vejo Padre Tércio, irado, após uma pichação que eu e Murilo Diniz fizemos criticando o Colégio. Ele entrou na sala de aula e nos apontou: foram vocês dois. Quando alguém perguntou como ele sabia, sua resposta foi: "Pela péssima caligrafia e a má feitura das frases". Saudade...muita saudade!



81 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

3 Comments


Nantes Buscapé
Nantes Buscapé
Jan 15, 2021

Meu professor de francês foi Professor Dias. Outra figura marcante da educação no nosso estado.

Like

Nantes Buscapé
Nantes Buscapé
Jan 15, 2021

Como gostaria de ter conversado com esse padre na língua de Molière! Se ele soubesse que François, o moleque da "má feitura das frases" foi professor de português! E mais do que isso (mas isso acho que ele soube, é evidente!) que François tornou-se um dos melhores escritores potiguares! Potiguares só, não. Nacionais!

Like

agda24
agda24
Jan 09, 2021

Um passado desmanchado em dor. Se doi, logo existe neste instante da Memória des-turvada de Francois. O padre e o muleque! A Ira do padre Tércio! François recorda-o em sentimento divino; vez que em Deus não houve Raiva ou Ódio. Nem no de Abraão, Isac ou Jacó. Mas Ira! A Sagrada Ira do educador para que a Criação dê certo. Você deu certo, Francois?


Like
bottom of page