top of page
  • Foto do escritorFrançois Silvestre

Papo pro Papo Cultura

Recebi Sérgio Vilar, no meu alpendre, por via televisiva pra bater um papo e jogar conversa fora. Serviu pra matar saudade e relembrar coisas da vida e da história. Espero ter sido um papo útil, como é útil o Papo Cultura.

Saiu no Papo Cultura:


Via Sérgio Vilar:


"Entrevistar François Silvestre é para poucos. Não por necessidade de conhecimento para equilibrar ideias de um dos grandes intelectuais potiguares. Mas carece confiança. François tem as cismas naturais de quem foi preso pela ditadura ou por conflitos seculares entre famílias tradicionais do interior.


E não que este repórter nutra amizade profunda com o escritor. Mas da pouca convivência, prejudicada pela rotina afastada do autor de Remanso da Piracema (2009) e Esmeralda (2010), entre Rio de Janeiro e as serras de Martins, se criou laços firmes da tal confiança. E assim partiu o convite para este bate-papo.


François traz um pouco do Brasil de ontem, marcado pelo chumbo e o Nordeste de costumes interioranos. Traz histórias de luta, de filosofias – de vida e dos livros -, de política, memórias – nostálgicas ou não – e muito, mas muito de Brasil, do Brasil real.

O Brasil retratado, mesmo que em um recorte de tempo, em A Pátria Não é Ninguém – talvez o melhor romance escrito em terras de Poti – é um pouco de François e muito deste país de República nascida de uma “quartelada”, como disse tempos atrás.


Então, François Silvestre é esse misto de Brasil-Nordeste. De história e intelectualidade. Do anarquismo perdido. E tudo isso, mais histórias curiosas de algumas figuras locais, como Luís Maria Alves, Paulo Macedo, Cortez Pereira, Manoel Onofre Jr e outros, além das lembranças dos tempos ditatoriais e fatos do Brasil de hoje e de ontem condensados nesses 46 minutos."


98 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Esconderijo de silêncios (VI)

Desde a partida do padre Salomão, Januária quase acostuma-se com a calmaria religiosa entre as igrejas. O novo padre, tolerante, a igreja Batista, luterana, com um pastor tradicional, os terreiros de

E quando morrer?

Ao nascer, nem lembro quando, se chorei, nasci. Infância de grotas, chãs, pé de serra, frutas, sacristias, chuva e seca, se brinquei, sorri. Adolescência, remanso das dúvidas, morrem as certezas, veló

Esconderijo de silêncios (V)

A chegada de novo pároco em Januária atiçou a curiosidade noturna dos habitantes. O que houvera de fato? O sacristão segurava-se na promessa feita ao padre Salomão. O novo padre, jovem, foi alvo de as

1 Comment


tcarneirosilva
tcarneirosilva
May 11, 2021

Beleza de papo de você com Sérgio. Quando vi sua taça de vinho fui pegar uma também. Abraços, François

Tião tim-tim Carneiro

Like
bottom of page