• François

Pau de sebo

A brincadeira consistia num enorme pau ensebado, com sebo de carneiro capado, tendo no seu topo uma certa quantia de dinheiro. Quem conseguisse escalá-lo abocanhava a grana. A cada tentativa frustrada, o pau mais liso ficava. Até que, cansados, os pretendentes aceitavam socializar o prêmio. E formavam uma pirâmide humana, cada um no ombro do outro, até que o último a chegar retirava a grana, que seria dividida.

Qualquer semelhança com a nossa economia não será um absurdo. A diferença é que, na brincadeira, não havia mentira. Enquanto Paulo Guedes se esborracha a cada tentativa de subir no pau de sebo, uma mentira oficial é montada para enganar a assistência. O ministro mente, promete, disfarça. Aí o suposto chefe da brincadeira, chamada governo, tenta desviar a atenção com uma estultice programada. A cada crise, uma besteira. O objetivo é desviar atenção, para escapar de responder o fracasso de cada mentira. A última foi a denúncia de fraude eleitoral. Fraude denunciada por quem ganhou. Dever-se-ia anular o pleito.

Agora, após descer alguns palmos no pau de sebo, Guedes vale-se do coronavírus pra justificar o PIB despencante. Aguardemos a próxima "máxima" de Bolsonaro, na tentativa dos seus acólitos ávidos no exercício de raspar o sebo do pau.

Ou seguem o exemplo dos garotos, uns nos ombros dos outros, governo e legislativo, ou vão ficar descendo e vendo cada vez mais longe a grana no topo de um tronco inexistente.

42 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

O nariz de Pinóquio...

...maior do que a Amazônia. Nunca na história da ONU, setenta e cinco anos, nem quando da guerra fria, em que mentiam soviéticos e americanos, um chefe de Estado mentiu tanto em tão pouco tempo. Quinz

O general e a dança da chuva

Um general, desses que empanzinam o governo, parece que de nome general Ramos, meu deus, disse que a chuva de ontem e hoje no Pantanal foi uma resposta de Deus à visita de Bolsonaro. General de quatro

Reinaldo Azevedo

Quando o Jornalista Reinaldo Azevedo tratava de forma cáustica, principalmente na Revista Veja, os detentores do poder, na época o PT e aliados, sob a liderança de Lula, eu discutia e o defendia nos e